Seguros | Consócio | Seguro de Vida | A4



Seguros | Consócio | Seguro de Vida | A4



Seguros | Consócio | Seguro de Vida | A4



Seguros | Consócio | Seguro de Vida | A4



Telefone: (15) 3331-8990
Facebook Twitter LinkedIn Pinterest Instagram
Notícias

RSS Feed - Mantenha-se Informado


23/11 - Ouro tem forte queda com avanço das vacinas contra a Covid-19
Movimento é resultado de otimismo entre os investidores de que a chegada de vacinas eficazes pode ajudar a controlar o coronavírus no próximo ano. Barras de ouro em uma fábrica austríaca em Viena Leonhard Foeger/Reuters As notícias positivas relacionadas ao desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19 pressionam os preços do ouro, que recuam mais de 2% nesta segunda-feira (23). Nesta tarde, os contratos futuros do metal para dezembro caíam 2,13%, negociados a US$ 1.832,60 a onça-troy na divisão Comex da Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex). Hoje, a Universidade de Oxford e a AstraZeneca comunicaram que sua vacina chegou a até 90% de eficácia na prevenção de infecções e não apresentou efeitos colaterais graves em um grande teste. Bovespa tem alta nesta segunda-feira; Carrefour recua mais de 5% Os resultados aumentam o otimismo entre os investidores de que a chegada de vacinas eficazes pode ajudar a controlar o coronavírus no próximo ano, permitindo que setores da economia prejudicados pela pandemia se recuperem. Além do ambiente menos favorável para ativos de proteção, o que pressiona os preços do ouro, o dólar avança nesta segunda-feira, em outro fator negativo para o metal precioso. O índice DXY, há pouco, subia 0,20%, a 92,586 pontos, na ICE, em Londres. VÍDEOS: Últimas notícias de Economia
Veja Mais

23/11 - Facebook remove mais de 140 mil conteúdos no Brasil por violarem políticas contra interferência eleitoral
Balanço de ações durante o 1º turno também envolve o Instagram. O Facebook divulgou nesta segunda-feira (23) que removeu mais de 140 mil conteúdos que violavam políticas contra interferência eleitoral nesta rede social e no Instagram durante a campanha do 1º turno das eleições municipais. De acordo com a empresa, eles continham "informações que poderiam desencorajar eleitores de irem votar, como por exemplo o horário errado de abertura das urnas". Também nesse período foram rejeitadas 250 mil submissões de anúncios (conteúdos impulsionados) sobre política ou eleições que não continham o rótulo "Propaganda Eleitoral" ou "Pago por", direcionadas a pessoas no Brasil. Segundo o Facebook, desde agosto, qualquer pessoa ou organização que quiser fazer publicidade sobre política ou eleições no país precisa passar por um processo de autorização, confirmando sua identidade e residência no Brasil. A companhia disse ainda que cerca de 3 milhões de pessoas acessaram um aviso fixado no topo do Feed de Notícias que convidava os eleitores a se prepararem e conferir os protocolos sanitários para o dia da votação no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além do Instagram, o Facebook é dono do WhatsApp.
Veja Mais

23/11 - Itaú lança feirão nesta terça para renegociar dívidas
Alvo do banco é atingir quase 12 milhões de pessoas físicas e jurídicas. O banco Itaú Unibanco lança nesta terça-feira (24) um feirão de renegociação de dívidas para permitir que pessoas físicas e jurídicas tenham melhores condições no parcelamento e na quitação de dívidas, além da redução na taxa de juros de empréstimos. O Itaú diz que o feirão tem potencial para atingir até 12 milhões de pessoas físicas e jurídicas com a iniciativa. Os clientes podem obter novas condições para pagar parcelas de empréstimos e faturas de cartões de crédito em atraso. O reparcelamento pode chegar a 73 vezes, segundo a empresa. O banco promete ainda estudar descontos e taxas especiais. Fachada de agência do banco Itaú no Rio de Janeiro Sergio Moraes/Reuters Os clientes do Itaú que estiveram interessados na renegociação devem acessar o aplicativo do banco ou o site https://renegociefacil.itau.com.br/. O prazo para atendimento é até 11 de dezembro. Segundo o banco, as condições da proposta melhoram conforme o valor da entrada desembolsada pelo cliente. Vídeos: Últimas notícias de economia
Veja Mais

23/11 - Moedas digitais disparam com bitcoin perto de máxima
Ethereum, segunda maior criptomoeda em valor de mercado, saltou 7%, para sua máxima desde junho de 2018. As moedas digitais ethereum e XRP dispararam nesta segunda-feira (23), ganhando impulso à medida que o bitcoin se aproximava de sua máxima histórica. O ethereum, segunda maior criptomoeda em valor de mercado, saltou 7%, para sua máxima desde junho de 2018, levando seus ganhos para mais de 25% nos últimos três dias. Operadores afirmaram que o ethereum, que costuma acompanhar o movimento do bitcoin, foi impulsionado pela crescente demanda antes de uma atualização de sua rede blockchain - prevista para o início de dezembro - que se espera que a torne mais rápida e segura. Educação financeira: entenda o que é o Bitcoin A XRP, terceira maior moeda, disparou 15% para seu maior valor em dois anos, levando os ganhos para mais de 75% nos últimos três dias. O preço das chamadas altcoins está fortemente ligado ao bitcoin. Com menos liquidez, elas tendem a sofrer de uma volatilidade ainda maior do que a criptomoeda original. O bitcoin subiu cerca de 10% na semana passada e estava sendo negociado a US$ 18.554, perto de sua máxima de US$ 19.666. A Assista as últimas notícias de economia
Veja Mais

23/11 - Guedes diz que vai ao 'ataque' para privatizar e aprovar reformas, e que falhou na abertura comercial
Ministro da Economia disse que o objetivo é transformar o Brasil em uma 'grande zona de livre comercio', mas preservando a indústria, e que é necessário mostrar real preocupação com o meio ambiente para ratificar acordo com a União Europeia. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta segunda-feira (23) que nos próximos dois anos o governo federal vai "para o ataque", com privatizações e reformas. A declaração foi feita em uma videoconferência sobre comércio internacional. "Dedicamos esse primeiro ano, ano e meio, para atacar as grandes despesas do governo. Jogamos na defesa. O segundo ano, e os próximos dois anos, vamos para o ataque. Vamos para as privatizações, com abertura, com simplificação, reforma tributária, a reindustrialização em cima de energia barata. É esse o panorama à frente", declarou. Guedes também afirmou que a área econômica falhou no cumprimento de metas de abertura da economia brasileira ao comércio exterior. Porém, acrescentou que isso será feito de maneira "gradual, segura e inexorável". Veja detalhes mais abaixo nessa reportagem Entre os próximos passos na agenda de reformas, o ministro citou: lei de falências, já aprovada pela Câmara dos Deputados e aguardando a análise pelo Senado; autonomia do Banco Central, aprovada pelo senadores e aguardando a análise pela Câmara; marcos regulatórios do gás natural e da cabotagem; PEC da emergência fiscal. O ministro também defendeu a necessidade de avançar, nos próximos meses, nas discussões de medidas como as reformas tributária e administrativa, e o pacto federativo. "Agora tem a política. A política às vezes anda, às vezes não anda. Às vezes, bloqueia. Atrasou um pouco a administrativa. Perturbou bastante a tributária, impediu as privatizações", disse ele. Guedes afirmou, novamente, estar convencido de que havia um "acordo político de centro esquerda" para não pautar as privatizações. "E, dentro do governo, também, alguma resistência de alguns ministérios. Todo ministro gosta de uma empresa que está embaixo do ministério dele. Alguns ministros nossos, no início, não compreenderam a importância do programa de privatizações para derrubar a dívida/PIB", disse. No início deste mês, Guedes lamentou não ter conseguido privatizar sequer uma estatal em dois anos de governo, declarando estar "bastante frustrado" com relação a esse assunto. Para 2020, Guedes previa inicialmente fazer quatro grandes privatizações: Eletrobras, Correios, Porto de Santos e Pré-Sal Petróleo S.A. Ele tem dito que a nova meta é vender essas quatro empresas até o fim de 2021. Abertura comercial Além de reconhecer que falhou em levar adiante as privatizações na primeira metade do governo Bolsonaro, o ministro da Economia admitiu que não conseguiu abrir a economia brasileira. Segundo ele, a tarifa média de importação do Brasil está pouco acima de 14%, sendo que há setores com 34% e outros com zero. A tarifa média praticada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), grupo de nações ricas em que o Brasil quer ingressar, é de 4%. O ministro explicou que o governo é liberal, mas não "trouxa" e que, por isso, antes da abertura comercial é necessário melhorar as condições de competitividade da produção nacional, com uma reforma tributária e novos marcos legais para investimentos. "Não podemos soltar um animal de cativeiro e achar que ele vai competir. Temos de treinar na selva. Tínhamos de fazer uma abertura gradual, mas segura e inexorável. Tem de abrir", declarou. Guedes acrescentou que o objetivo é transformar o Brasil em uma "grande zona de livre comercio, mas que preserve a nossa indústria". Meio ambiente Apesar de não ter conseguido reduzir as tarifas, o ministro disse que o governo avançou em acordos comerciais, citando as negociações com o Mercosul e com a União Europeia. "Assinamos um acordo com a União Europeia, agora vamos ver se os parlamentos ratificam ou não, mas fizemos a nossa parte. Saiu do Ministério da Economia e entrou lá na Europa. Vamos mostrar que temos a matriz de energia mais limpa do mundo, vamos mostrar que nós realmente estamos preocupados com o problema do meio ambiente, vamos fazer o que for preciso para despertar essa boa vontade lá fora", disse. Guedes citou também a existência de outras barreiras comerciais, como as exigências fitossanitárias e relacionadas à preservação do meio ambiente. "Tem exigências fitossanitárias também. 'Essa madeira não queremos porque vem da Amazônia'. Tem uma guerra com argumentação de meio ambiente, uma guerra de protecionismo disfarçado em praticas sanitárias. Temos de ter igual atenção as barreiras não tarifárias", afirmou.
Veja Mais

23/11 - PAT de Hortolândia oferece 105 vagas de emprego com salários de até R$ 1,8 mil; veja pré-requisitos
São 60 vagas para auxiliar de cozinha, 40 vagas para operador de telemarketing e 5 vagas para coordenador de restaurante. Os salários variam de R$ 1.051 R$ 1,8 mil. Moradores de Hortolândia encontram 105 vagas de emprego abertas nesta segunda-feira (23) Heloise Hamada/G1 O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Hortolândia (SP) oferece 105 oportunidades de emprego nesta segunda-feira (23). São 60 vagas para auxiliar de cozinha, 40 vagas para operador de telemarketing e 5 vagas para coordenador de restaurante. Os salários variam de R$ 1.051 a R$ 1,8 mil. Os interessados devem comparecer à unidade, localizada na Rua Argolino de Moraes, 405, Vila São Francisco. O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (19) 3965-8912. Pré-requisitos Auxiliar de cozinha - 60 vagas As ofertas para auxiliar de cozinha exigem ensino médio completo e disponibilidade para viajar. Os selecionados devem atuar no setor de pré-preparo, processamento de alimentos e montagem de pratos, além de verificar a qualidade dos gêneros alimentícios. O salário é de R$ 1.195 e a entrevista será no dia 3 de dezembro, às 9h, no próprio PAT. Operador de telemarketing - 40 vagas Para concorrer às vagas de operador de telemarketing, é necessário ter ensino médio completo e experiência na área. A pessoa contratada irá realizar vendas de serviço de tecnologia por telefone. O salário é de R$ 1.051 e a entrevista está marcada para esta quinta-feira (26), às 9h, no órgão. Coordenador de restaurante - 5 vagas Os candidatos devem estar cursando ou ter concluído o ensino superior e ter experiência na função, além de ter disponibilidade para viajar. As vagas são para cuidar da equipe e direcionar responsabilidades aos integrantes do grupo. O salário é de R$ 1,8 mil e a entrevista será no dia 3 de dezembro, às 9h, na unidade. Veja mais notícias da região no G1 Campinas.
Veja Mais

23/11 - Vendas de imóveis novos crescem apesar da pandemia, aponta CBIC
Alta foi de 9,4% no terceiro trimestre, na comparação com o segundo. Lançamentos também cresceram, mas não o suficiente para compensar as perdas dos meses anteriores. As vendas de imóveis novos cresceram 4,8% nos primeiros nove meses deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (23) pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). No terceiro trimestre a alta nas vendas foi bem maior, de 57,5%, na comparação com os três meses anteriores - período de maiores perdas como consequência da pandemia do coronavírus. Os lançamentos também tiveram forte alta na passagem do segundo para o terceiro trimestre deste ano, de 114,1%. Esse aumento, no entanto, não foi suficiente para compensar as perdas dos meses anteriores: no acumulado dos nove primeiros meses do ano, o número de lançamentos ainda é 27,9% menor do que o registrado no mesmo período de 2019. Entre as regiões, o maior aumento entre o segundo e o terceiro trimestres foi observado no Sudeste, onde os lançamentos subiram 197,5% (18.110 unidades), seguida do Norte, onde o número de unidades lançadas cresceu 140,0% (896 unidades). Venda de imóveis bate recorde durante a pandemia Os dados abrangem informações coletadas informações de 150 municípios, sendo 20 capitais, de Norte a Sul do Brasil. Algumas cidades foram analisadas individualmente ou dentro das respectivas regiões metropolitanas. Assista as últimas notícias de economia
Veja Mais

23/11 - Bovespa opera em alta; Carrefour recua mais de 5%
Na sexta-feira, o Ibovespa fechou em queda de 0,59%, a 106.042 pontos, mas acumulou ganho de 1,20% na semana. A bolsa de valores brasileira, a B3, opera em alta nesta segunda-feira (23), refletindo o maior otimismo global em razão de progressos no desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus. Às 13h40, o Ibovespa subia 0,99%, a 107.093 pontos. Veja mais cotações. Entre os destaques de alta, Embraer e BRF avançavam mais de 5%. Na outra ponta, Carrefour liderava as quedas do dia, recuando mais de 5%. Carrefour diz que 20 de novembro foi o dia mais triste de sua história, e presidente global ordena revisão de treinamento dos funcionários Na sexta-feira, a bolsa fechou em queda de 0,59%, a 106.042 pontos, acumulando avanço de 1,20% na semana. Na parcial do mês, o Ibovespa acumula alta de 12,87%. No ano, tem queda de 8,30%. Universidade de Oxford diz que vacina feita com a AstraZeneca mostra 70% de eficácia Cenário global e local No exterior, os mercados acionários globais tinham alta diante de esperanças de que a primeira vacina contra a Covid-19 pode estar disponível dentro de semanas, renovando as apostas de rápida recuperação econômica no próximo ano. A farmacêutica britânica AstraZeneca anunciou que sua potencial vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford pode ser até 90% eficaz sem nenhum efeito colateral grave. O anúncio vem após a Pfizer solicitar a reguladores dos EUA na sexta-feira autorização para uso de emergência de sua vacina contra a Covid-19, que pode acontecer ainda na primeira quinzena de dezembro. "Já há expectativas de que um movimento de vacinação em massa se inicie em breve na Europa e EUA. Este sentimento minimiza a preocupação do forte crescimento de novos casos da doença no mundo", avaliou a equipe da Mirae Asset. Por aqui, a expectativa do mercado para a inflação de 2020 passou de 3,25% para 3,45%, enquanto que a estimativa de tombo do Produto Interno Bruto (PIB) no ano foi revisada de 4,66% para 4,55%, segundo a pesquisa Focus do Banco Central. A projeção para a taxa de câmbio no fim de 2020 recuou de R$ 5,41 para R$ 5,38. Para o fechamento de 2021, continuou em R$ 5,20 por dólar. Já a expectativa para a taxa Selic para o final de 2021 subiu de 2,75% para 3% ao ano. As chances de desdobramentos econômicos da pandemia em 2021 no Brasil, no entanto, seguiam no radar, com o mercado atento a riscos de permanência de gastos emergenciais, o que prejudicaria a já frágil situação fiscal do Brasil. Risco fiscal: entenda o que é e saiba por que a piora das contas públicas preocupa Variação do Ibovespa em 2020 G1 Economia VÍDEOS: Últimas notícias de Economia
Veja Mais

23/11 - Com abalo na credibilidade do país, discurso ambiental de Bolsonaro preocupa cada vez mais agronegócio
Camarotti fala sobre o pronunciamento de Jair Bolsonaro na Cúpula do G20 Cada vez mais, o setor do agronegócio fica em alerta com a perda de credibilidade e isolamento do Brasil em relação à política ambiental e à preservação da floresta amazônica. Ao Blog, um importante empresário do agronegócio alertou que esse discurso negacionista do governo Bolsonaro sobre o meio ambiente já começa a trazer consequências econômicas. Após recordes de desmatamento e queimadas, o presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (22), durante a reunião do G20, que o país sofre 'ataques injustificados' de 'nações menos competitivas e menos sustentáveis'. Ele ressaltou que o Brasil dedica uma pequena área do território para agricultura e que tem grande área de vegetação ainda preservada. Cada vez mais isolado internacionalmente, Bolsonaro agora tenta repassar responsabilidades em relação à política ambiental do Brasil. Esse isolamento foi intensificado com a derrota do presidente americano, Donald Trump, na eleição norte-americana. Depois disso, o brasileiro já ameaçou os Estados Unidos com o uso da “pólvora”, o que foi motivo de chacota. Ele também teve que recuar de apresentar “lista de países” que comprariam madeira ilegal do Brasil. “Tudo isso já começa a trazer consequências. Ao fazer um discurso negacionista sobre a dimensão das queimadas e do desmatamento na floresta amazônica, e na destruição de outros biomas nacionais, o governo Bolsonaro perde cada vez mais credibilidade na área ambiental. Resultado: cresce boicotes aos produtos brasileiros na Europa, acordos comerciais em andamento começam a sofrer resistências. Isso também já começa a afetar até mesmo investimentos previstos para o país. E preocupa cada vez mais o setor responsável pelo agronegócio brasileiro”, disse ao Blog esse empresário do setor.
Veja Mais

23/11 - Atividade de negócios na zona do euro tem forte queda em novembro puxada por serviços
Medidas para conter segunda onda de covid-19 afetam setor e derrubam PMI composto; economista vê risco de nova contração do PIB no 4º trimestre. O Índice de Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) caiu acentuadamente na zona do euro em novembro, segundo dados preliminares divulgados nesta segunda-feira (23) pela IHS Markit. A queda foi puxada pelo setor de serviços, mais impactado pelas medidas atuais dos governos para conter a segunda onda da covid-19 no continente. O PMI composto, que inclui os resultados de indústria e serviços, caiu de 50,0 em outubro para 45,1 pontos neste mês, pior do que a expectativa de 47,1 de economistas consultados pelo “Wall Street Journal”. O PMI de serviços caiu para 41,3 pontos em novembro, de 46,9 em outubro, pior do que a expectativa de 42,4, de acordo com os dados preliminares. Europa se esforça para conter o aumento nos números de casos e mortes por Covid-19 O PMI industrial caiu menos, de 54,8 em outubro para 53,6 em novembro, ficando um pouco acima da expectativa de 53,1 de economistas consultados pela pesquisa do “Wall Street Journal”. Leituras abaixo de 50 indicam contração da atividade, enquanto acima de 50 apontam expansão. “A economia da zona do euro mergulhou de volta em um declínio severo em novembro em meio a esforços renovados para anular a crescente onda de infecções por covid-19. Os dados aumentam a probabilidade de que a região verá o PIB se contrair de novo no quarto trimestre”, afirmou por meio de comunicado o economista-chefe da IHS Markit, Chris Williamson. Na Alemanha, o PMI de serviços caiu para 46,2 em novembro, de 49,5 em outubro, enquanto o PMI industrial recuou para 57,9, de 58,2 em outubro. O PMI composto cedeu para 52,0, de 55,0 em outubro. Os resultados foram piores na França, onde o PMI de serviços despencou para 38,0 em novembro, de 46,5 em outubro, enquanto o PMI industrial também caiu para território de contração a 49,1 em novembro, de 51,3 em outubro. Assim, o PMI composto cedeu para 39,9 pontos, de 47,5 em outubro. Apesar dos dados ruins, o economista da IHS Markit Eliot Kerr destaca pontos positivos na leitura dos dados preliminares da França. “Com o renovado endurecimento das restrições na França no fim de outubro, uma queda acentuada na atividade do setor privado durante novembro foi quase inevitável. No entanto, é um tanto positivo ver que a última contração foi substancialmente mais lenta do que durante o bloqueio anterior. Estes resultados sugerem que algumas empresas francesas foram capazes de adaptar suas operações às novas condições”, afirmou em comunicado. A Assista as últimas notícias de economia
Veja Mais

23/11 - Importação chinesa de carne suína avança 80% em outubro
Brasil tem sido um dos principais fornecedores da proteína para os chineses, com mais de 460 mil toneladas negociadas. Vendedor segura peça de carne suína em mercado em Handan, na China REUTERS/Stringer A China importou 330 mil toneladas de carne suína em outubro, segundo dados alfandegários divulgados nesta segunda-feira (23). Isso representa um aumento de 80,4% em relação ao ano anterior. O motivo, segundo especialistas, é que os chineses estão estocando a proteína, a mais consumida por eles, até retomada da produção local, que foi afetada por um surto de peste suína africana. A produção de carne suína da China caiu 19% no primeiro semestre do ano, depois que a peste suína africana devastou seu enorme rebanho de suínos nos últimos dois anos. As importações nos primeiros 10 meses do ano aumentaram 126,2%, para 3,62 milhões de toneladas, disse a Administração Geral das Alfândegas. As importações de outubro foram menores do que as 380 mil toneladas do mês anterior, com a recuperação da oferta chinesa pressionando os preços locais e deixando importadores mais cautelosos. O rebanho suíno da China cresceu 26,9% em outubro em relação ao ano anterior, de acordo com o Ministério da Agricultura. Os preços da carne suína caíram cerca de 28% desde o início de julho, para 36,7 iuanres (US$ 5,59) por quilo, embora ainda esteja muito acima dos níveis já alcançados antes do surto da doença. Carne bovina As importações de carne bovina em outubro aumentaram 12,2% ano a ano, para 170 mil toneladas, segundo os dados, com embarques acumulados de 1,74 milhão de toneladas no ano. A China tem sido o principal destino de carnes suína e bovina do Brasil neste ano. De janeiro a outubro, o Brasil exportou 423,2 mil toneladas de carne suína aos chineses, enquanto embarcou 684,7 mil toneladas de carne bovina ao país asiático, segundo dados do governo brasileiro. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural
Veja Mais

23/11 - Dólar opera em alta e volta a passar de R$ 5,40
Na sexta-feira, moeda dos EUA fechou em alta de 1,36%, a R$ 5,3861. No ano, acumula avanço de 34%. Notas de dólar Hafidz Mubarak/Reuters O dólar passou a operar em alta nesta segunda-feira (23), com desconforto sobre a situação fiscal do Brasil pesando apesar de esperanças em relação ao desenvolvimento de uma vacina para a Covid-19. Às 13h41, a moeda norte-americana subia 1,07%, cotada a R$ 5,4448. Na mínima da sessão até o momento chegou a R$ 5,3398, e na máxima, a R$ 5,4397. Veja mais cotações. Na sexta-feira, o dólar fechou em alta de 1,36%, a R$ 5,3861. Com o resultado, o dólar passou a acumular queda de 6,13% na parcial de novembro, mas ainda tem alta de 34,32% no ano. Nesta segunda, o Banco Central fará leilão de swap tradicional para rolagem de até 12 mil contratos com vencimento em abril e agosto de 2021. Vacina de Oxford contra Covid-19 tem eficácia média de 70% Cenário local e externo No exterior, cresciam as esperanças de uma recuperação econômica global liderada por progressos em vacinas contra o coronavírus. A farmacêutica britânica AstraZeneca anunciou que sua potencial vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford pode ser até 90% eficaz sem nenhum efeito colateral grave. O anúncio vem após a Pfizer solicitar a reguladores dos EUA na sexta-feira autorização para uso de emergência de sua vacina contra a Covid-19, que pode acontecer ainda na primeira quinzena de dezembro. Contribuía também para uma menor pressão sobre o dólar o aumento o maior apetite de investidores por ativos de países emergentes. Os fluxos no acumulado do ano para títulos de dívidas de emergentes ficaram positivos pela primeira vez em oito meses, com entrada de US$ 3,5 bilhões na semana até 18 de novembro, informa a Reuters citando relatório do BofA. Por aqui, a expectativa do mercado para a inflação de 2020 passou de 3,25% para 3,45%, enquanto que a estimativa de tombo do Produto Interno Bruto (PIB) no ano foi revisada de 4,66% para 4,55%, segundo a pesquisa Focus do Banco Central. A projeção para a taxa de câmbio no fim de 2020 recuou de R$ 5,41 para R$ 5,38. Para o fechamento de 2021, continuou em R$ 5,20 por dólar. Já a expectativa para a taxa Selic para o final de 2021 subiu de 2,75% para 3% ao ano. As chances de desdobramentos econômicos da pandemia em 2021 no Brasil, no entanto, seguiam no radar, com o mercado atento a riscos de permanência de gastos emergenciais, o que prejudicaria a já frágil situação fiscal do Brasil. Risco fiscal: entenda o que é e saiba por que a piora das contas públicas preocupa As incertezas sobre a situação fiscal brasileira, combinadas a um ambiente de juros extremamente baixos, têm sido apontadas como forte fator de impulso para o dólar no mercado de câmbio doméstico, com a moeda norte-americana acumulando salto de cerca de 35% até agora em 2020. Assista às últimas notícias de economia $ Variação do dólar em 2020 G1
Veja Mais

23/11 - Mercado financeiro vê tombo menor do PIB em 2020 e eleva estimativa de inflação para 3,45%
É a décima quinta semana seguida em que estimativas de inflação são revisadas para cima. Economistas ouvidos pelo Banco Central reduziram a projeção de queda do PIB para 4,55%. Os economistas do mercado financeiro elevaram a estimativa de inflação para 2020 pela décima quinta semana seguida e também passaram a estimar um tombo menor do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. As expectativas fazem parte do boletim de mercado conhecido como relatório "Focus", divulgado nesta segunda-feira (23) pelo Banco Central (BC). Os dados foram levantados na semana passada em pesquisa com mais de 100 instituições financeiras. Para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, a expectativa do mercado para este ano passou de 3,25% para 3,45%. No decorrer do ano, com a pandemia do novo coronavírus e a recessão na economia brasileira, o mercado baixou a estimativa de inflação. Nos últimos meses, porém, com a alta do dólar e com a retomada da economia, os preços voltaram a subir. Em setembro, a inflação oficial do país avançou 0,64%, a maior alta para o mês desde 2003. Em outubro, subiu para 0,86%, a maior desde 2002. Apesar da alta, a expectativa de inflação do mercado para este ano segue abaixo da meta central, de 4%, e acima do piso do sistema de metas, que é de 2,5% em 2020. Pela regra vigente, o IPCA pode oscilar de 2,5% a 5,5% sem que a meta seja formalmente descumprida. Quando a meta não é cumprida, o BC tem de escrever uma carta pública explicando as razões. A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic). Para 2021, o mercado financeiro subiu de 3,22% para 3,40% sua previsão de inflação. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,75% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2,25% a 5,25%. Inflação oficial tem maior índice para outubro desde 2002 Retração da economia Sobre o comportamento da economia brasileira em 2020, os economistas do mercado financeiro baixaram sua estimativa de tombo do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,66% para 4,55% na semana passada. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Na última semana, o mercado subiu de 3,31% para 3,40% a estimativa de expansão do PIB para 2021. A expectativa para o nível de atividade foi feita em meio à pandemia do novo coronavírus, que tem derrubado a economia mundial e colocado o mundo no caminho de uma recessão. Nos últimos meses, porém, indicadores têm mostrado uma retomada da economia brasileira. Em novembro, o governo brasileiro baixou de 4,7% para 4,5% sua previsão para a retração do PIB em 2020. O Banco Mundial prevê uma queda de 5,4% no PIB brasileiro e o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um tombo de 5,8% em 2020. Em 2019, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB cresceu 1,1%. Foi o desempenho mais fraco em três anos. Após recuar 2,5% nos primeiros três meses deste ano (número revisado), o PIB apresentou um tombo de 9,7% no segundo trimestre deste ano – contra os três meses anteriores. Foi a maior queda desde que o IBGE iniciou os cálculos do PIB trimestral, em 1996. Taxa básica de juros Após a manutenção da taxa básica de juros em 2% ao ano no fim de outubro, o mercado segue prevendo estabilidade na Selic neste patamar até o fim deste ano. Para o fim de 2021, a expectativa do mercado subiu de 2,75% para 3% ao ano. Isso quer dizer que os analistas passaram a estimar uma alta de juros maior em 2021. Outras estimativas Dólar: a projeção para a taxa de câmbio no fim de 2020 recuou de R$ 5,41 para R$ 5,38. Para o fechamento de 2021, continuou em R$ 5,20 por dólar. Balança comercial: para o saldo da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), a projeção em 2020 ficou estável em US$ 57,73 bilhões de resultado positivo. Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas do mercado permaneceu em US$ 55,10 bilhões de superávit. Investimento estrangeiro: a previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil neste ano recuou de US$ 50 bilhões para US$ 45 bilhões. Para 2021, a estimativa permaneceu estável em US$ 60 bilhões.
Veja Mais

23/11 - Prévia da confiança da indústria aponta crescimento em novembro, diz FGV
Resultado prévio da sondagem sinaliza avanço para o maior nível em 10 anos e acomodação do nível de utilização da capacidade Instalada da indústria. A prévia da Sondagem da Indústria de novembro sinaliza aumento de 1,6 ponto do índice de confiança dos empresários do setor em relação ao número final de outubro, para 112,8 pontos, segundo informou nesta segunda-feira (23) a Fundação Getulio Vargas. Se o resultado se confirmar, será a sétima alta mensal seguida do indicador e "será o maior valor do índice desde outubro de 2010 (113,6 pontos)", segundo informou a FGV. A alta do resultado prévio da confiança é consequência de movimentos opostos entre as avaliações sobre o momento presente e as expectativas para os próximos meses. O Índice de Situação Atual aumentaria 4,4 pontos, para 118,1 pontos (o maior valor desde dezembro de 2007, 118,9 pontos), enquanto o Índice de Expectativas recuaria 1,2 ponto, para 107,4 pontos. O dado preliminar de novembro indica ainda relativa acomodação do Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria (NUCI) com redução de 0,2 ponto percentual, para 79,6%. Em médias móveis trimestrais, o NUCI continuaria apresentando avanço pelo quinto mês consecutivo, de 77,8% para 79,2%. Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria aponta que o setor está otimista para 2021 Vídeos: veja últimas notícias da economia no Brasil e no mundo
Veja Mais

23/11 - Índice de ações da China fecha em máxima de 5 anos com otimismo sobre vacina
Índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 1,25%, chegando ao maior nível de fechamento desde 17 de junho de 2015. O índice de blue-chips (ações mais negociadas) da China fechou esta segunda-feira (23) no nível mais alto em mais de cinco anos, liderado por ganhos em matérias-primas e energia, conforme as esperanças de uma recuperação liderada por vacina contra o coronavírus ampliava o apetite por risco. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 1,25%, chegando ao maior nível de fechamento desde 17 de junho de 2015, enquanto o índice de Xangai teve ganho de 1,09%. Os índices de matérias-primas do CSI300 e de energia subiram 2,1% e 3,8%, respectivamente. Uma autoridade da força-tarefa de desenvolvimento de uma vacina do governo dos Estados Unidos afirmou no domingo que as primeiras vacinas podem ser distribuídas a trabalhadores de saúde norte-americanos e outros até meados de dezembro. Existem expectativas de recuperação econômica global já que uma vacina será disponibilizada mais cedo ou mais tarde, disse Jin Jing, analista do Caitong Securities. Vacina da Universidade de Oxford e AstraZeneca mostra até 90% de eficácia na prevenção da Covid-19 Veja votações de fechamento das bolsas da Ásia: Em TÓQUIO, o índice Nikkei não teve operações. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,13%, a 26.486 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 1,09%, a 3.414 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 1,25%, a 5.005 pontos. Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 1,92%, a 2.602 pontos. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 1,18%, a 13.878 pontos. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 1,27%, a 2.848 pontos. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,34%, a 6.561 pontos.
Veja Mais

23/11 - Danone anuncia corte de 2 mil postos de trabalho
Nos primeiros nove meses do ano, grupo francês registrou que da de 5,4% no faturamento. O grupo francês Danone, que registra quedas nas vendas devido à pandemia de Covid-19, anunciou nesta segunda-feira que vai cortar até 2 mil postos de trabalho na França e no exterior para "simplificar" a organização e voltar a crescer. As demissões afetarão todas as estruturas que supervisionam os países, como "nossas sedes em Amsterdã, Singapura e Paris", declarou o presidente da Danone, Emmanuel Faber. Na França, a Danone vai suprimir entre 400 e 500 empregos, principalmente na diretoria e em funções administrativas. O plano, que recebeu o nome "Local First", pretende "dar poder às instâncias locais" nos países em que a Danone está implantada. O grupo espera "um corte de quase 700 milhões de euros (830 milhões de dólares) em gastos gerais e administrativos", afirma um comunicado. Além disso, a empresa aposta em melhorar a "produtividade industrial para reduzir em 300 milhões de euros o custo dos produtos", completa a nota. "Trata-se de acelerar a digitalização e a robotização das fábricas, e passar de meia dúzia de fábricas muito digitalizadas a 40 em 2023", disse Faber. "O objetivo do plano é retomar o caminho do crescimento rentável", completou. Nos primeiros nove meses do ano, a Danone registrou que da de 5,4% no faturamento, que foi de 18 bilhões de euros (US$ 21,3 bilhões). A pandemia de Covid-19 afeta de modo particular as vendas de água engarrafada (-20,5%), muito abalada pelos fechamentos de bares e restaurantes. Vídeos: veja últimas notícias de economia no Brasil e o mundo
Veja Mais

23/11 - Seis 'motores' que podem reativar economias na América Latina
Depois do choque causado pela pandemia, a pergunta que muitos países se fazem agora é como reconstruir a economia diante do aumento da dívida pública e da queda na arrecadação de impostos. Crescendo ao ritmo médio da última década, região poderia voltar ao patamar pré-pandemia em 2024 Getty Images via BBC As marcas deixadas pela pandemia de Covid-19 na América Latina não vão desaparecer do dia para a noite, mas, quanto mais cedo estiverem funcionando os motores da recuperação econômica, maiores as são possibilidades de deixar a crise para trás mais rapidamente. Na região que contabiliza mais de 11 milhões de pessoas contaminadas pela doença causada pelo novo coronavírus — mais da metade no Brasil — e de 400 mil mortos, as projeções mais recentes apontam para uma queda recorde do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, superior a 9%. Diante de uma contração dessa magnitude, o desemprego disparou a 11,4% no primeiro semestre deste ano, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT). O problema, entretanto, é bem mais grave do que parece, porque as cifras da OIT não incluem os trabalhadores informais, que são mais de 50% da força de trabalho na região. A pergunta que muitos países se fazem agora é como reconstruir a economia diante do aumento da dívida pública e da queda na arrecadação de impostos. Não há uma receita única que sirva para toda a região. Ainda assim, pesquisadores da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) propõem alguns caminhos que podem dar um impulso ao que provavelmente vai ser um longo período de recuperação. "A chave é incluir as dimensões econômica, social e ambiental do desenvolvimento sustentável", disse à BBC News Mundo, serviço em língua espanhola da BBC, Alice Bárcena, secretária executiva da organização. Entre os possíveis motores identificados pela Cepal estão as energias renováveis, o setor de transportes, a chamada "revolução digital", a indústria da saúde, a bioeconomia e a economia circular. Conheça cada um deles a seguir: 1. Uma nova matriz energética A participação das energias renováveis não convencionais (biomassa, solar, eólica, geotérmica e biogás) na produção de eletricidade na América Latina aumentou de cerca de 4% em 2010 para 12% em 2018. "Se continuarmos 'descarbonizando' (substituindo a energia que tem como subproduto gases poluentes), poderíamos criar sete milhões de empregos em uma década", aponta Bárcena. Um fator alentador nesse sentido é o fato de que o investimento estrangeiro na área de energia renovável vem crescendo, principalmente por meio de empresas europeias e, em menor medida, chinesas. No processo de transição para o uso de energia mais "limpa" destacam-se países como Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua, na América Central, e, no sul da região, Brasil, Chile e Uruguai. Na contramão estão México, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela, que chegaram a reduzir a participação das modalidades renováveis na oferta total de energia. 2. Mobilidade urbana A substituição dos veículos que rodam com combustível fóssil tem potencial para criar cerca de 4 milhões de empregos no setor de transportes nos segmentos de operação e manutenção de veículos pesados e outros 1,5 milhão na indústria de veículos leves, de acordo com as estimativas da Cepal. Ainda que a indústria de carros elétricos seja incipiente, a frota de ônibus elétricos começa a crescer — são cerca de 1,3 mil unidades rodando em 10 países —, especialmente em cidades como Santiago, capital do Chile. Dois fatores contribuem para o avanço: a redução do custo das baterias, que tornou os ônibus elétricos mais competitivos, e o processo relativamente eficiente de conversão dos veículos convencionais em elétricos, que é barato. 3. A revolução digital A pandemia acelerou a digitalização em vários países da região e evidenciou a importância da conectividade para o mundo do trabalho, da saúde, da educação e para o comércio. Enquanto na Europa e nos Estados Unidos cerca de 40% dos trabalhadores empregados conseguem desempenhar suas funções em home office, na América Latina isso só vale para 21,3% dos ocupados. No campo da educação, por sua vez, quase metade das crianças com idade entre 5 e 12 anos vive em domicílios sem acesso à internet — o que acabou afetando o processo de aprendizagem de muitas delas no período em que as escolas estiveram fechadas. Na América Latina, cerca de 21% dos ocupados conseguem trabalhar de casa - metade do percentual registrado na Europa e nos Estados Unidos Getty Images via BBC O uso de tecnologias digitais também está muito aquém do que se observa em outras regiões quando se fala de cadeia de suprimentos, de processamento e manufatura. Enquanto 70% das empresas nos países da OCDE utilizam internet em sua cadeia de abastecimento, na América Latina a cifra chega a apenas 37%. Por isso, especialistas afirmam que os países latino-americanos devem se preparar para a indústria do futuro, especialmente formando mão de obra qualificada, com as novas habilidades que essas tecnologias demandam. 4. A indústria da saúde Essa é uma área que engloba diferentes segmentos: a indústria farmacêutica, a fabricação de medicamentos e equipamentos e pesquisa e desenvolvimento. São setores que costumam criar empregos com boa remuneração, que facilitam o progresso técnico e que, por isso, podem ajudar a dinamizar a economia. Com a chegada da pandemia de Covid-19, as grandes corporações estão mudando suas estratégias para reduzir os níveis de risco de quebra suas cadeias de abastecimento, ainda que isso signifique maior custo de produção. Na prática, algumas empresas têm tentado levar parte da produção para mais próximo de seus mercados consumidores, o que pode beneficiar países da América Latina, especialmente se a região oferecer alternativas na área de produção. 5. A bioeconomia O potencial da bioeconomia ficou ainda mais evidente com a pandemia. Essa é uma área que busca agregar valor a recursos biológicos de maneira sustentável — e é uma das que tem se beneficiado nesses tempos de crise sanitária. Ela inclui desde a agricultura e a produção de alimentos à fabricação do produtos biotecnológicos como vacinas, métodos diagnósticos e de tratamento. 6. A economia circular Se a economia linear se baseia em produzir, consumir e eliminar, a circular busca um outro caminho: reciclar e reutilizar os produtos em vez de descartá-los. Um dos seus fundamentos, portanto, é reduzir a geração de resíduos e as emissões de dióxido de carbono para resguardar o meio ambiente. A Cepal vê uma oportunidade para que a região aposte nessa área por meio de segmentos como a gestão de resíduos sólidos domiciliares, do lixo orgânico a plásticos e eletrônicos. Retorno aos níveis pré-crise Segundo os cálculos da Cepal, caso a América Latina crescesse à taxa média observada na última década, de 1,8%, voltaria ao patamar observado antes da crise causada pela pandemia em 2024. Se o ritmo fosse o dos últimos 6 anos, de apenas 0,4%, o retorno ao nível pré-crise não chegaria antes da próxima década, acrescenta Bárcena. Boa parte do futuro da economia da região dependerá de fatores como a evolução da pandemia, o ritmo de recuperação do mundo como um todo, o preço das matérias-primas e os recursos disponíveis no mercado e nos organismos internacionais para financiar o crescimento, além da vontade política de cada governo. Vídeos: veja as últimas notícias de economia no Brasil e no mundo
Veja Mais

23/11 - 4 empresas abrem vagas de emprego; veja lista
Hotmart, Grupo GR, Tangerino e Grupo Sabin Medicina Diagnóstica são empresas com vagas abertas. As empresas Hotmart, Grupo GR, Tangerino e Grupo Sabin Medicina Diagnóstica estão com vagas de emprego abertas. Veja abaixo detalhes dos processos seletivos: Veja mais vagas de emprego pelo país Hotmart A Hotmart tem mais de 150 vagas abertas para diversas áreas, como marketing, administração, atendimento ao cliente, desenvolvimento de negócios, tecnologia, entre outras. As oportunidades são para Belo Horizonte, São Paulo, Bogotá, Cidade do México, Madri e Amsterdam. Durante o período de isolamento social, a Hotmart está disponibilizando mesas e cadeiras para os colaboradores trabalharem de casa, ajuda de custo para despesas com energia elétrica, além de aulas de ginástica laboral, yoga e atendimento psicológico à distância. Além dos benefícios tradicionais do mercado de trabalho, a empresa oferece bônus trimestral, participação anual nos lucros, auxílio idioma e educação, bonificação extra da retirada total das férias remuneradas, previdência privada, licença maternidade e paternidade estendidas, auxílio creche, entre outros. Grupo GR O Grupo GR tem vagas abertas para o cargo de porteiro/controlador de acesso no interior de São Paulo. As vagas estão distribuídas entre as regiões de Jaguariúna, Jundiaí, Jacareí e Cajamar. A empresa não recebe currículos por e-mail ou contato telefônico, a candidatura é feita somente online no site https://grupogr.pandape.com.br/. Tangerino O Tangerino está com 4 vagas abertas para funções como líder técnico (desenvolvedor de Java), analista de pré-vendas, analista de suporte - onboarding e analista de testes. A empresa fica localizada em Belo Horizonte e os interessados podem se candidatar pelo link https://jobs.solides.com/tangerino Grupo Sabin Medicina Diagnóstica O Grupo Sabin Medicina Diagnóstica está com mais de 120 oportunidades nas áreas administrativa, apoio, atendimento, coleta, transporte e área técnica (biomédico, bioquímico, coordenador técnico, técnico em laboratório). As oportunidades estão abertas em todos 12 estados e no Distrito Federal. Para conferir as vagas disponíveis pelo Grupo Sabin, acesse: https://jobs.kenoby.com/sabin-site Assista a mais notícias de Economia:
Veja Mais

23/11 - País tem, ao menos, 88 concursos públicos com inscrições abertas para mais de 12 mil vagas
Cargos são em todos os níveis de escolaridade. Na Prefeitura de São Miguel do Oeste (SC), o salário pode chegar a R$ 18,5 mil; Secretaria de Estado da Educação e do Esporte do Paraná oferta 4 mil vagas. selo concursos opcao 01 Editoria de arte/G1 oiPelo menos 88 concursos públicos estão com inscrições abertas no país nesta segunda-feira (23), com oferta de mais de 12 mil vagas.s. Pelo menos 88 concursos públicos estão com inscrições abertas no país nesta segunda-feira (23), com oferta de mais de 12 mil vagas. Só na Secretaria de Estado da Educação e do Esporte do Paraná há 4 mil vagas em disputa. Uma vaga para médico na Prefeitura de São Miguel do Oeste (SC) tem o salário de quase R$ 18,5 mil. CONFIRA AQUI A LISTA COMPLETA DE CONCURSOS E OPORTUNIDADES Além das vagas abertas, há concursos para formação de cadastro de reserva – ou seja, os candidatos aprovados são chamados conforme a abertura de vagas durante a validade do concurso. Também com altos salários e inscrições abertas apenas nesta semana, estão processos seletivos da Prefeitura de Iguape (SP), com ganhos de até R$ 14.718,20, e da Prefeitura de Giruá (RS), que chegam a R$ 17.960,75. Veja abaixo as informações os concursos que abrem suas inscrições nesta segunda-feira: Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp) Inscrições: até 02/12/2020 9 vagas Salários de até R$ 3.344,38 Cargos de nível fundamental, técnico e superior Veja o edital Prefeitura de Balneário Rincão (SC) Inscrições: até 27/11/2020 26 vagas Cargos de nível fundamental Veja o edital Prefeitura de Giruá (RS) Inscrições: até 25/11/2020 1 vaga Salário de até R$ 17.960,75 Cargo de nível superior Veja o edital Prefeitura de Iguape (SP) Inscrições: até 24/11/2020 7 vagas Salários de até R$ 14.718,20 Cargos de nível superior Veja o edital Prefeitura de Iúna (ES) Inscrições: até 28/11/2020 7 vagas Salários de até R$ 2.040,00 Cargos de nível fundamental, médio e superior Veja o edital Prefeitura de Marília (SP) Inscrições: até 10/12/2020 88 vagas Salários de até R$ 5.647,56 Cargos de nível fundamental, médio e superior Veja o edital Prefeitura de Mira Estrela (SP) Inscrições: até 28/11/2020 36 vagas Salários de até R$ 5.408,35 Cargos de nível fundamental, médio e superior Veja o edital Prefeitura de São Miguel do Oeste (SC) Inscrições: até 02/12/2020 1 vaga Salário de até R$ 18.498,78 Cargo de nível superior Veja o edital Prefeitura de Tapurah (MT) Inscrições: até 01/12/2020 10 vagas Salários de até R$ 3.247,12 Cargos de nível fundamental, médio e superior Veja o edital Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Inscrições: até 25/11/2020 27 vagas Salários de até R$ 4.699,21 Cargos de nível superior Veja o edital VÍDEOS: Últimas notícias de Economia
Veja Mais

23/11 - Câmara acelera discussão de 'Refis da Covid-19', parado desde maio
A Câmara dos Deputados decidiu dar início à tramitação de uma nova renegociação de dívidas de pessoas físicas e jurídicas. A proposta estava parada desde maio e é chamada de Programa Extraordinário de Regularização Tributária durante a pandemia – uma espécie de "Refis da Covid-19". O Diário Oficial da Câmara trouxe, na sexta-feira (20), um despacho assinado pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encaminhando o texto para tramitação nas comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça. Ao mesmo tempo, já há pedidos de líderes para aprovar um regime de urgência, o que poderia levar a proposta para votação direta em plenário. A proposta do deputado Ricardo Guidi (PSD-SC) estava parada desde maio na Casa. Porém, Maia afirmou ao blog nesta segunda-feira (23) que o projeto "não tem esta urgência” e que o encaminhamento seria apenas protocolar. Ao blog, Maia afirmou neste domingo (22) que uma renegociação das dívidas poderia ser incluída nas discussões da reforma tributária, mas não seria prioridade neste momento. Nesta segunda, Maia também afirmou ao blog que já foi combinado com a equipe econômica do governo que a discussão do tema só irá ocorrer em um debate mais amplo de mudanças no regime de impostos. Segundo o presidente da Câmara, há votos suficientes para o texto da reforma ser aprovado. O que diz o projeto O projeto na Câmara prevê renegociação dos débitos de pessoas físicas e jurídicas, inclusive para quem já está em recuperação judicial. Esses devedores poderiam renegociar as dívidas com o governo inscritas até 31 de dezembro, quando termina o estado de calamidade pública declarado em razão da pandemia de Covid-19. A data prevista no texto vale para o registro da dívida. A inscrição no programa poderia ser feita até 90 dias após o fim do estado de calamidade. Em 2017, o governo realizou um programa similar, que ficou conhecido como "Refis", para regularizar dívidas de tributos com órgãos públicos como a Receita Federal e a Procuradoria da Fazenda Nacional. VÍDEOS: Últimas notícias de Economia
Veja Mais

23/11 - Imposto de Renda: Receita abre consultas a lote residual de restituição
Dinheiro da restituição será liberado no próximo dia 30. Receita irá pagar R$ 399 milhões a mais de 198 mil contribuintes nesse lote. Receita Federal vai abrir nesta segunda-feira consulta a lote residual de restituição do IR de novembro Marcello Casal Jr/Agência Brasil A Receita Federal liberou nesta segunda-feira (23) as consultas ao lote residual de restituição do Imposto de Renda 2020 do mês de novembro. Clique aqui para fazer a consulta O lote residual vai pagar R$ 399 milhões a 198.967 contribuintes. Segundo a Receita, o dinheiro das restituições será depositado no dia 30 de novembro. As consultas poderão ser feitas por meio da página da Receita na internet ou pelo telefone 146. Também é possível checar se há inconsistências na declaração e fazer a regularização pelo portal e-CAC, menu Meu Imposto de Renda. Prazo para entrega terminou em julho; veja o que fazer se você não declarou 910 mil contribuintes caíram na malha fina A Receita informa que, caso a restituição tenha sido liberada, mas o valor não for creditado, o contribuinte pode ligar para a Central de Atendimento por meio do telefone 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para agendar o crédito em conta corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco. Consultas Ao realizar a consulta do Imposto de Renda 2020, o contribuinte será informado: que foi contemplado e que receberá os valores na semana que vem; ou que a declaração está na "fila de restituição", ou seja, que está tudo correto (apenas aguardando a liberação dos valores nos próximos meses), ou que está "em processamento", ou na "fila de espera" do órgão. Quando a declaração está "em processamento" ou na "fila de espera", pode ser que haja alguma inconsistência de informações, e o contribuinte pode revisá-la para ter certeza, mas isso ainda não é certo. VÍDEOS: Últimas notícias de Economia
Veja Mais

23/11 - Auxílio Emergencial: Caixa paga nova parcela a 4,9 milhões nesta segunda
Entre os que recebem nesta segunda estão 1,6 milhão de trabalhadores do Bolsa Família, que recebem a terceira parcela de R$ 300. A Caixa Econômica Federal (CEF) paga nesta segunda-feira (23) mais uma parcela do Auxílio Emergencial a 4,9 milhões de trabalhadores. Aos trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, o pagamento já é referente à 3ª parcela de R$ 300 do benefício. Nesta segunda, recebem 1,6 milhão de trabalhadores cujo número do NIS encerra em 5. Entre os demais trabalhadores, estão 3,1 milhões que vão receber uma parcela do Auxílio Emergencial extensão, de R$ 300. Outros 200 mil ainda vão receber alguma das parcelas de R$ 600. Os pagamentos desta segunda são para nascidos em fevereiro. Veja o calendário completo de pagamentos do Auxílio Emergencial Veja como serão os pagamentos de R$ 300 e tire dúvidas Saiba como liberar a conta bloqueada no aplicativo Caixa Tem Tira dúvidas sobre o Auxílio Emergencial SAIBA TUDO SOBRE O AUXÍLIO EMERGENCIAL Confira as datas para o pagamento da nova fase do Auxílio Emergencial de R$ 300,00 Para os trabalhadores fora do Bolsa Família, a ajuda paga nesta segunda será creditada em conta poupança social digital da Caixa, que poderá ser usada inicialmente para pagamento de contas e compras por meio do cartão virtual. Saques e transferências para quem receber o crédito nesta segunda serão liberados no dia 19 de dezembro (veja nos calendários mais abaixo). VEJA QUEM RECEBE NESTA SEGUNDA: 1,6 milhão de trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, cujo número do NIS encerra em 5, recebem a 3ª parcela de R$ 300 200 mil trabalhadores do Cadastro Único e inscritos via site e app, nascidos em fevereiro, recebem a próxima parcela de R$ 600: - aprovados que já receberam 4 parcelas recebem a quinta parcela; - aprovados que já receberam 3 parcelas recebem a quarta parcela; - aprovados que já receberam 2 parcelas recebem a terceira parcela; - aprovados que já receberam 1 parcela recebem a segunda parcela. 3,1 milhões de trabalhadores do Cadastro Único e inscritos via site e app, nascidos em fevereiro, recebem a próxima parcela de R$ 300: - trabalhadores que já receberam as 5 parcelas de R$ 600 recebem a primeira de R$ 300 - trabalhadores que já receberam 1 parcela de R$ 300 recebem a segunda parcela de R$ 300 - trabalhadores que já receberam 2 parcelas de R$ 300 recebem a terceira parcela de R$ 300 Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br. Calendários de pagamento Veja abaixo os calendários de pagamento. BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMÍLIA Auxílio Emergencial - Beneficiários do Bolsa Família Economia G1 BENEFICIÁRIOS FORA DO BOLSA FAMÍLIA Clique aqui para ver o calendário completo dos pagamentos VÍDEOS: as últimas notícias sobre o Auxílio Emergencial l
Veja Mais

23/11 - PATs ofertam 312 vagas de emprego em oito cidades da região de Campinas; veja cargos
Devido à pandemia, unidades atendem pela internet, telefone ou com horário agendado. PATs da região oferecem XX oportunidades de emprego em XX cidades da região de Campinas (SP). Divulgação/Reprodução As unidades de atendimento ao trabalhador de Americana (SP), Campinas (SP), Espírito Santo do Pinhal (SP), Indaiatuba (SP), Itapira (SP), Jaguariúna (SP), Louveira (SP) e Mogi Guaçu (SP) divulgam 312 oportunidades de emprego nesta segunda-feira (23). Existem vagas para diversos níveis de escolaridade e algumas são exclusivas para pessoas com deficiência (PCDs). Veja lista de cargos por município abaixo. As prefeituras alertam que as vagas podem ser preenchidas ao longo do dia. Por isso, é recomendado o acompanhamento do quadro de oportunidades nos sites oficiais. Também, em virtude da pandemia do novo coronavírus, os atendimentos ocorrem pela internet, por telefone ou presencialmente - porém com horário agendado. Americana Americana oferece 22 oportunidades de emprego. Os interessados devem realizar o cadastro do currículo no site da prefeitura. Auxiliar administrativo de obras - 2 vagas; Auxiliar de limpeza - 1 vaga; Carpinteiro (a) - 2 vagas; Coordenador (a) de qualidade - 1 vaga; Eletricista predial - 1 vaga; Encanador (a) de obras - 1 vaga; Estoquista - 1 vaga; Pedreiro (a) - 1 vaga; Pintor (a) de obras - 1 vaga; Serralheiro (a) - 1 vaga; Servente de obras - 1 vaga; Vendedor (a) - 1 vaga; Ajudante de açougue - 1 vaga; Auxiliar de expedição têxtil - 1 vaga; Auxiliar de manutenção de eletrodomésticos - 1 vaga; Auxiliar de montagem - 2 vagas; Auxiliar fiscal/administrativo - 1 vaga; Montador (a) mecânico (a) - 1 vaga; Torneiro (a) mecânico (a) - 1 vaga. Mudanças com relação às vagas podem ser acompanhadas na página do PAT de Americana. Campinas O Centro Público de Apoio ao Trabalhador (CPAT), em Campinas, tem 43 vagas de emprego disponíveis. Por conta da pandemia do coronavírus, os interessados devem agendar o atendimento pelo telefone 156. Açougueiro (a) - 1 vaga; Ajudante de cozinha - 1 vaga; Ajudante de obras - 3 vagas; Assistente de serviço de contabilidade - 2 vagas; Auxiliar de limpeza - 1 vaga; Auxiliar de limpeza em hospital - 1 vaga para PCDs; Auxiliar de mecânico de autos - 1 vaga; Costureiro (a) - 2 vagas; Eletricista de autos - 2 vagas; Eletricista de manutenção em geral - 1 vaga; Encarregado (a) de limpeza - 1 vaga; Mecânico (a) de automóvel - 1 vaga; Mecânico (a) de manutenção de bicicletas - 2 vagas; Motorista carreteiro - 1 vaga; Motorista de caminhão - 1 vaga; Operador (a) de telemarketing - 10 vagas; Pintor (a) de edifícios - 10 vagas; Torneiro (a) mecânico (a) - 1 vaga; Zelador (a) - 1 vaga. Mudanças no quadro de vagas podem ser conferidas no site do CPAT. Espírito Santo do Pinhal Em Espírito Santo do Pinhal, há 22 vagas de emprego em aberto. Por conta da pandemia, o PAT solicita que os candidatos interessados entrem em contato com a unidade pelo telefone (19) 3661-2114 ou pelo e-mail vagas.patpinhal@gmail.com. Recepcionista de hotel - 1 vaga; Auxiliar de açougue - 1 vaga; Operador (a) de hortifruti - 1 vaga; Repositor (a) de mercadorias - 1 vaga; Ajudante de depósito - 1 vaga; Cortador (a) (tecido) - 1 vaga; Ajudante geral - 1 vaga; Costureiro (a) industrial - 1 vaga; Líder de setor de limpeza - 1 vaga; Auxiliar de limpeza - 1 vaga; Gerente de farmácia - 1 vaga; Vendedor (a) pracista - 1 vaga; Cozinheiro (a) - 1 vaga; Operador (a) de produção industrial - 1 vaga; Mecânico (a) de manutenção industrial - 1 vaga; Costureiro (a) de máquina reta - 1 vaga; Costureiro (a) - 1 vaga; Mecânico (a) de manutenção de eletrodomésticos - 1 vaga; Funileiro (a) de veículos - 1 vaga; Torneiro (a) mecânico (a) convencional - 1 vaga; Operador (a) de produção - 2 vagas. Alterações nas vagas ofertadas podem ser consultadas no site do PAT Espírito Santo do Pinhal. Indaiatuba Há 117 vagas de emprego no PAT de Indaiatuba. Apesar de continuar com o atendimento presencial das 7h às 15h45, a unidade pede aos interessados que entrem em contato pelo telefone (19) 3816-9252 durante a pandemia. A prefeitura também ressalta que a unidade mudou de endereço e está localizada na Rua 24 de Maio, nº 1.670. Acabador (a) de pedras - 1 vaga; Açougueiro (a) - 1 vaga; Ajudante de eletricista - 1 vaga; Ajudante de obras - 1 vaga; Ajudante de pizzaiolo - 1 vaga; Analista de PCP - 1 vaga; Apontador (a) de produção - 1 vaga; Armador (a) de telhados - 1 vaga; Assistente de vendas - 2 vagas; Atendente de lanchonete - 3 vagas; Atendente de lanchonete - 2 vagas; Atendente de lojas - 1 vaga; Auxiliar de confecção - 1 vaga; Auxiliar de cozinha - 4 vagas; Auxiliar de encanador - 1 vaga; Auxiliar de enfermagem - 2 vagas; Auxiliar de expedição - 1 vaga; Auxiliar de limpeza - 3 vagas; Auxiliar de linha de produção - 6 vagas; Auxiliar de manutenção predial - 1 vaga; Auxiliar marceneiro - 1 vaga; Auxiliar mecânico de ar condicionado - 1 vaga; Auxiliar mecânico de refrigeração - 1 vaga; Caldeireiro (a) de chapas - 1 vaga; Caseiro (a) - 2 vagas; Chapista de lanchonete - 2 vagas; Controlador (a) de entrada e saída - 1 vaga; Costureiro (a) - 1 vaga; Cozinheiro (a) - 1 vaga; Desenhista copista - 1 vaga; Eletricista - 2 vagas; Eletricista de instalação de veículos automotores - 1 vaga; Eletricista de manutenção industrial - 1 vaga; Encanador (a) - 1 vaga; Faxineiro (a) - 3 vagas; Ferramenteiro (a) - 1 vaga; Garçom/garçonete - 1 vaga; Gerente de marketing - 1 vaga; Jardineiro (a) - 1 vaga; Líder de bombeiros - 1 vaga; Manobrista - 1 vaga; Marceneiro (a) - 2 vagas; Mecânico de ar-condicionado e refrigeração - 1 vaga; Mecânico de auto em geral - 1 vaga; Mecânico de caldeiras - 1 vaga; Mecânico de manutenção de máquinas em geral - 1 vaga; Mecânico eletricista de automóveis - 1 vaga; Mestre de obras - 2 vagas; Montador (a) de móveis de madeira - 3 vagas; Motorista de caminhão - 2 vagas; Motorista segurança - 1 vaga; Oficial de serviços gerais na manutenção de edificações - 3 vagas; Oficial de serviços gerais - 2 vagas; Operador (a) de caixa - 1 vaga; Operador (a) de empilhadeira - 1 vaga; Operador (a) de vendas 2 vagas; Pedreiro (a) - 1 vaga; Perfurador (a) de poços artesianos - 1 vaga; Pintor (a) de casas - 2 vagas; Pizzaiolo (a) - 3 vagas; Promotor (a) de vendas - 3 vagas; Retificador (a) - 1 vaga; Serralheiro (a) - 2 vagas; Soldador (a) - 1 vaga; Supervisor (a) de cozinha - 1 vaga; Técnico de enfermagem - 2 vagas; Técnico em suporte de TI - 1 vaga; Técnico mecânico em ar condicionado - 1 vaga; Torneiro mecânico - 1 vaga; Tratorista operador de roçadeira - 1 vaga; Vendedor (a) - 8 vagas; Vigilante - 2 vagas; Zelador (a) - 1 vaga. Acesse o site do PAT de Indaiatuba para conferir mudanças nas vagas. Itapira O PAT de Itapira possui 23 chances. Para se candidatar, o interessado deve enviar o currículo para o e-mail postoatendimentoitapira@gmail.com, informando o número do PIS e a vaga pretendida. Alimentador (a) de linha de produção - 1 vaga; Alinhador (a) de pneus - 1 vaga; Auxiliar administrativo (a) - 1 vaga; Auxiliar de contabilidade - 1 vaga; Balconista - 1 vaga; Calandrista de borracha - 1 vaga; Cozinheiro (a) de restaurante - 1 vaga; Empregada (o) doméstica (o) - 1 vaga; Encarregado (a) de restaurante - 1 vaga; Estagiário (a) auxiliar administrativo (a) - 1 vaga; Estagiário (a) em engenharia industrial - 1 vaga; Estagiário (a) técnico em segurança do trabalho - 1 vaga; Mecânico (a) automotivo (a) - 1 vaga; Mecânico (a) de manutenção - 1 vaga; Motorista de caminhão - 1 vaga; Operador (a) de caldeira - 1 vaga; Operador (a) de centro de usinagem - 1 vaga; Operador (a) de máquinas - 1 vaga; Operador (a) de injetora de plástico - 1 vaga; Operador (a) de torno CNC - 1 vaga; Soldador (a) - 1 vaga; Técnico (a) ou bacharel em contabilidade - 1 vaga; Vendedor (a) de motos - 1 vaga. Jaguariúna O PAT de Jaguariúna oferta 40 oportunidades. Os interessados devem encaminhar o currículo para o e-mail pat.jaguariuna@gmail.com, colocando no campo "Assunto" a oportunidade pretendida. Acabador (a) de mármores e granitos - 1 vaga; Ajudante de eletricista - 1 vaga; Ajudante de obra - 1 vaga; Analista de suprimentos - 1 vaga; Atendente de mesa - 1 vaga; Auxiliar de almoxarifado - 1 vaga; Auxiliar de cozinha - 1 vaga (exclusiva para PCD); Auxiliar de escritório - 1 vaga; Auxiliar de limpeza - 1 vaga; Auxiliar de mecânico de refrigeração - 1 vaga; Balconista de açougue - 1 vaga; Barman - 1 vaga; Chefe de cozinha - 1 vaga; Cozinheiro júnior - 1 vaga; Cozinheiro (a)/meio (a) oficial - 1 vaga; Diarista - 1 vaga; Eletricista industrial - 1 vaga; Eletricista predial - 1 vaga; Encanador (a) - 1 vaga; Fisioterapeuta - 1 vaga; Fonoaudiólogo (a) - 1 vaga; Frentista - 1 vaga; Gerente de restaurante - 1 vaga; Líder de equipe de atendimento/lanchonete - 1 vaga; Mecânico (a) de auto e/ou diesel - 1 vaga; Montador (a) industrial de estruturas metálicas - 1 vaga; Motorista de carreta - 1 vaga; Operador (a) de mini escavadeira ou mini carregadeira - 1 vaga; Operador (a) de retroescavadeira - 1 vaga; Operador (a) de serra de madeira - 1 vaga; Pedreiro (a) - 1 vaga; Pintor (a) de alvenaria - 1 vaga; Polidor (a) de veículos - 1 vaga; Promotor (a) de produtos de perfumaria - 1 vaga; Técnico (a) em alinhamento e balanceamento de pneus - 1 vaga; Terapeuta ocupacional - 1 vaga; Torneiro (a) CNC - 1 vaga; Tratador (a) de animais - 1 vaga; Vendedor (a) para loja de roupa e confecção - 1 vaga; Vigia - 1 vaga. Louveira O Serviço de Apoio ao Trabalhador (SAT) de Louveira (SP) está com 12 vagas disponíveis. Para se candidatar à vaga, o interessado deve enviar o currículo preferencialmente pelo e-mail sat@louveira.sp.gov.br. Ajudante de expedição - 1 vaga; Armador (a) - 1 vaga; Auxiliar de eventos - 1 vaga; Encarregado (a) de obras - 1 vaga; Extrusorista de perfil - 1 vaga; Líder de expedição - 1 vaga; Mâitre - 1 vaga; Marceneiro (a) - 1 vaga; Mecânico (a) diesel - 1 vaga; Preparador (a) de máquina injetora - 1 vaga; Serralheiro (a) - 1 vaga; Tecelão - 1 vaga. Mogi Guaçu O PAT de Mogi Guaçu possui 33 vagas em aberto nesta segunda. Os candidatos devem agendar atendimento no Paço Municipal às segundas, quartas e sextas-feiras, das 9h às 16h, pelo telefone (19) 3841-7323 ou (19) 3891-5300. Ajudante de montador de automóveis - 1 vaga; Assistente administrativo (a) - 1 vaga; Atendente de locação - 1 vaga; Auxiliar administrativo (a) - 1 vaga; Auxiliar de contabilidade - 1 vaga; Auxiliar de cozinha - 1 vaga; Auxiliar mecânico (a) de refrigeração - 1 vaga; Auxiliar técnico (a) de refrigeração - 1 vaga; Carpinteiro (a) - 1 vaga; Chapeiro (a) - 1 vaga; Cozinheiro (a) industrial - 1 vaga; Estagiário (a) designer gráfico (a) - 1 vaga; Fiscal de piso - 1 vaga; Garçom/garçonete - 1 vaga; Jardineiro (a) - 1 vaga; Mecânico (a) de automóvel - 1 vaga; Mecânico (a) de motor a diesel - 1 vaga; Mecânico (a) de refrigeração industrial - 1 vaga; Mecânico (a) de suspensão - 1 vaga; Mecânico (a) de suspensão - 1 vaga; Montador (a) de móveis - 1 vaga; Motorista de caminhão truck - 1 vaga; Motorista operador (a) de betoneira - 1 vaga; Operador (a) de furadeiras - 1 vaga; Operador (a) de guindaste móvel - 1 vaga; Operador (a) de retroescavadeira - 1 vaga; Pedreiro (a) - 1 vaga; Pintor (a) de automóveis - 1 vaga; Polidor (a) de automóveis - 1 vaga; Recepcionista atendente - 1 vaga; Repositor (a) de mercadorias - 1 vaga; Vendedor (a) de serviços - 1 vaga; Vendedor (a) interno (a) - 1 vaga. Veja mais oportunidades da região no G1 Campinas
Veja Mais

22/11 - 'Nunca pensei que passaria fome na velhice': o drama de viver com aposentadoria de R$ 7 na Venezuela
O colapso econômico no país fez com que a qualidade de vida da grande maioria dos idosos diminuísse violentamente, deixando-os altamente vulneráveis. Idosos estão entre os que mais sofrem com a crise no país Oswer Diaz Mireles via BBC Em 1980, a velhice era algo muito distante para Norma Mujica. "Eu tinha 27 anos, e dançava salsa com meu marido nas discotecas. Gostávamos muito do Oscar de León e da Célia Cruz (cantores latinos). Às vezes, comíamos comida chinesa em um restaurante, e nos fins de semana íamos à praia", lembra ela com nostalgia. Aos 67, seus dias passam de uma forma muito diferente do que ele imaginava. Sua aposentadoria, que começou no valor equivalente a R$ 925 ao mês, agora representa apenas R$ 7 devido à contínua desvalorização do bolívar, a moeda venezuelana. Sua casa, no topo de uma subida íngreme e mal pavimentada, tem um telhado de zinco, paredes de concreto lascadas pela umidade e decoradas com cartazes de Jesus, piso de ladrilhos e móveis com madeira lascada. Uma máquina de lavar velha, um fogão a gás e cortinas gastas preenchem o espaço. Norma caminha lentamente, vestida com uma túnica um tanto surrada, arrastando um sapato que imita a marca Crocs, que usa com meias de lã. Ela se senta em uma pequena cadeira de plástico e conta que vive na Freguesia 23 de Janeiro, uma área popular de Caracas, desde que nasceu. Norma guarda o dinheiro da aposentadoria para comprar remédios Oswer Diaz Mireles via BBC "Meu pai tocava tímpano (um instrumento de percussão) em uma orquestra, aqui sempre havia muita salsa e merengue", conta. "Comprei esta casinha com meu marido e, aos poucos, fomos fazendo melhoras. Quando fiz 40 anos, Deus me ouviu, e eu tive meu único filho, demorei muito para engravidar. Ao meu filho, nunca faltou nada." Seu marido, Rafael Alcalá, trabalhava como auxiliar no departamento de sistemas de um banco, e ela trabalhou em um órgão público, o Instituto de Previdência e Assistência Social do Ministério da Educação. O instituto presta assistência médica a professores que trabalham para o Estado. "Eu me formei como técnica de prontuário e fiz de tudo, fui secretária, mensageira. Entrava às 10h e saía às 21h", conta Norma, que começou a trabalhar aos 19 anos. Em 2000, ela estava no emprego quando sofreu um acidente vascular cerebral, uma obstrução ou redução brusca do fluxo sanguíneo em uma artéria do cérebro, o que causa a falta de circulação na região. Quando a pessoa não morre, ela pode ficar com sequelas sérias. "Minha pressão subiu muito, caí no chão e fiquei gravemente doente", lembra Norma. Com o tempo, ela recuperou a fala e voltou a andar com a ajuda de uma bengala, mas não pôde voltar a trabalhar. O Estado concedeu-lhe uma aposentadoria por invalidez, que antecipou sua aposentadoria por velhice. Naquela época, o que Norma recebia era equivalente a R$ 925 por mês, o que lhe permitia cobrir todas as suas necessidades básicas. "Comprava comida, pagava o telefone, os remédios, e meu marido também trabalhava", conta. O ex-presidente Hugo Chávez havia promovido uma reforma da Constituição em 1999 que incluía a obrigação do Estado de pagar um salário mínimo que cobria as necessidades básicas das pessoas, e as aposentadorias seguiam essa mesma regra. Em 2015, o marido de Norma morreu e a sua aposentadoria passou a ser sua única renda. O marido de Norma morreu em 2015 Oswer Diaz Mireles via BBC Colapso Formalmente, o sistema previdenciário na Venezuela é uma modalidade em que os trabalhadores ativos contribuem com uma porcentagem de seu salário para pagar as pensões da população em idade de aposentadoria — da mesma forma que no Brasil. Mas a contribuição hoje é muito pequena, porque muitos trabalhadores, principalmente os mais qualificados, deixaram o país. Além disso, os salários são baixos, o bolívar está desvalorizado e boa parte dos empregos está no setor informal da economia, que não contribui para o sistema. Remédios são a prioridade de Norma, para que ela não corra o risco de sofrer outro AVC Oswer Diaz Mireles via BBC Portanto, o custo das aposentadorias de 4,5 milhões de venezuelanos recai sobre o Estado. E as contas não batem. A principal fonte de renda é o petróleo, de onde vêm nove em cada dez dólares que entram no país. E a extração caiu drasticamente desde 2017. Essa é uma das causas do Estado estar empobrecido, sem recursos, ao que se soma a maior inflação do mundo. LEIA TAMBÉM: Venezuelanos roubam petróleo para produzir gasolina Nesse ambiente, há três anos, o Banco Central da Venezuela vem cortando continuamente a oferta de dólar, ao qual os venezuelanos recorrem para tentar poupar. Isso fez o preço da moeda norte-americana subir muito. O colapso fez com que a qualidade de vida da grande maioria dos idosos diminuísse violentamente, deixando-os altamente vulneráveis. Nicolas Madura (foto) assumiu a presidência definitivamente após a morte do ex-presidente Hugo Chavez Getty Images via BBC Vivendo com quase nada Depois da supervalorização do dólar, os bolívares que Norma recebe como aposentadora equivalem a R$ 7 por mês. Ela também recebe um adicional para aposentadoria e títulos que o governo distribui para tentar amenizar a deterioração. Mas ao somar toda a sua renda, o que ela recebe não chega a R$ 27 por mês, o que dá para comprar um quilo de carne. Entre suas prioridades, entretanto, não está a carne, mas os remédios que toma diariamente para regular a pressão arterial. Ela consegue o remédio no sistema governamental de distribuição de medicamentos, mas nem sempre os remédios são entregues no prazo. Portanto, ela guarda dinheiro para essa eventualidade. "Não consigo comprar uma caixa cheia, mas pelo menos compro meia caixa, que dá 20 comprimidos". Ela explica que os médicos alertaram para a importância de ela regular a pressão arterial para minimizar o risco de outro derrame. "Graças a Deus, estou sem remédio há apenas alguns dias. Às vezes, meu filho faz um esforço e compra para mim. Quando não tomo, não consigo dormir, fico assustada", conta Norma. Para chegar à farmácia, ela caminha com sua bengala cerca de um quilômetro e meio até a estação de metrô mais próxima. Ao sair de casa, se depara com uma descida íngreme, na qual é fácil perder o equilíbrio. Em seguida, ela atravessa calçadas com buracos e declives, ocupadas por vendedores ambulantes e sacos de lixo. Ao retornar, a descida se torna uma subida que a obriga a parar para descansar várias vezes. No metrô, gratuito para idosos, ela percorre três estações. "Tenho que andar. Se ficar em casa, vou ficar na cama e não quero isso. Às vezes, meu pé dói, porque há um tempo caí e torci o tornozelo, está inchado, mas eu ando", diz Norma. Faz muito tempo que Norma não come carne, frango ou leite Oswer Diaz Mireles via BBC Pouca comida A alimentação de Norma depende exclusivamente das cestas básicas que o Estado distribui para as pessoas de baixa renda. "A cesta chega a cada mês e meio. A última veio com dois quilos de arroz, dois pacotes de farinha para fazer arepas (um tipo de panqueca), dois quilos de macarrão, alguns pacotes de grão de bico e café. Desta vez, não veio açúcar", explica Norma. "Hoje vou comer um pãozinho de farinha no café da manhã, um café e um ovo que me deram. Ao meio-dia, grão-de-bico com um pouco de arroz e à noite de novo grão-de-bico. Faz muito tempo que não como carne, frango, leite. Nunca pensei que passaria fome na minha velhice e não estou sozinha, muitos no bairro são iguais", acrescenta. Seu filho não pode ajudá-la agora, diz. "Ele tem 25 anos, é casado e tem dois filhos. Até recentemente trabalhava em um restaurante, onde pagavam um salário mínimo, mas com a pandemia ele teve que sair. Para comer, está vendendo bolos com a esposa." O bairro onde ela mora tem sofrido com constantes cortes de luz e de água EPA via BBC Luzes fracas e água amarela Norma tem uma velha máquina de lavar que ainda funciona, uma geladeira e uma televisão que serve de distração — relíquias da época em que ela podia comprar eletrodomésticos. Seu medo é que as variações na voltagem da eletricidade e os cortes de energia, que se tornaram recorrentes no país, danifiquem os aparelhos. "Foi assim que meu micro-ondas quebrou, não liga. Agora está impossível comprar outro", diz preocupada. E não foi só o serviço de energia elétrica se deteriorou no bairro. "Quase sempre fico sem água dois dias por semana. Felizmente, quando meu marido era vivo, comprou uma caixa d'água de plástico que tenho no banheiro. Mas a água está ficando muito suja, amarela, por isso tenho que ferver." Norma esquiva-se da questão política, evita falar sobre se apoiou ou não o ex-presidente Hugo Chávez em algum momento ou se votará nas eleições parlamentares marcadas para dezembro deste ano. Ela está resignada, sem expectativas de uma mudança que amenize seu dia a dia. "Não espero mais nada de bom, tudo é sempre pior." VÍDEOS sobre a crise na Venezuela
Veja Mais

22/11 - Após recordes de desmatamento e queimadas, Bolsonaro diz no G20 que sofre 'ataques injustificados' de 'nações menos competitivas e menos sustentáveis'
Presidente ressaltou que Brasil dedica uma pequena área do território para agricultura e que tem grande área de vegetação ainda preservada. Especialistas ouvidos pelo G1 dizem que exemplos citados pelo presidente não credenciam o país como exemplo de preservação. ‘Ataques injustificados', diz Bolsonaro no G20 sobre política ambiental do governo O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (22), em discurso no segundo dia de reunião de cúpula do G20, que seu governo vai "continuar protegendo" a Amazônia, o Pantanal e todos os outros biomas do país. A declaração ocorre em meio à divulgação de dados que apontam para aumento do desmatamento da floresta e para número recorde de queimadas no Pantanal neste ano. A aceleração da destruição dos dois biomas gerou críticas ao governo dentro e fora do país. Em seu discurso, Bolsonaro citou dados para afirmar que se baseia na "realidade dos fatos" e não em "narrativas", mas especialistas ouvidos pelo G1 contestam as afirmações do presidente. "O hino nacional de meu país diz que o Brasil é gigante pela própria natureza. Estejam certos de que nada mudará isso. Vamos continuar protegendo nossa Amazônia, nosso Pantanal e todos os nossos biomas", afirmou Bolsonaro. Em carta, órgãos ambientais e empresários responsabilizam o governo federal pelo comércio ilegal de madeiras STF começa a julgar ações que questionam decisão do Conama de revogar proteção a manguezais O discurso do presidente não foi transmitido pelo G20, mas sim divulgado pela Palácio do Planalto. A reunião do grupo, que reúne as 20 maiores economias do mundo, está sendo presidida pela Arábia Saudita e ocorre neste ano de maneira virtual, devido à pandemia do novo coronavírus (leia a íntegra do discurso ao final desta reportagem). No sábado (21), primeiro dia de reunião do G20, Bolsonaro também discursou. O presidente abordou questões comerciais e a vacina para a Covid-19, mas também falou sobre as manifestações antirracismo que vêm sendo registradas no país depois do espancamento e morte de um cidadão negro no Rio Grande do Sul. Críticas à política ambiental A política ambiental do governo Bolsonaro e os números que apontam para aumento do desmatamento e das queimadas no país têm gerado pressões internacionais e ameaças de países de boicote a produtos brasileiros. Também têm dificultado o andamento do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia. O governo brasileiro vem apontando interesses comerciais nas críticas e que elas têm objetivo de prejudicar produtos nacionais, especialmente os ligados ao agronegócio. No discurso deste domingo, Bolsonaro voltou a atacar os críticos. Afirmou que o Brasil, com sua produção agrícola e pecuária, alimenta "quase um bilhão e meio de pessoas" enquanto mantém mais de 60% do território preservado, e que os ataques ao país partem de "nações menos competitivas" no agronegócio. "Ressalto que essa verdadeira revolução agrícola no Brasil foi realizada utilizando apenas 8% de nossas terras. Por isso, mais de 60% de nosso território ainda se encontra preservado com vegetação nativa. Tenho orgulho de apresentar esses números e reafirmar que trabalharemos sempre para manter esse elevado nível de preservação, bem como para repelir ataques injustificados proferidos por nações menos competitivas e menos sustentáveis", afirmou. Agropecuária foi responsável por 90% da perda de vegetação natural do Brasil, aponta levantamento O engenheiro florestal Tasso Azevedo, coordenador da ONG Mapbiomas, diz que na verdade o Brasil tem 67% do seu território com vegetação nativa, considerando o que está degradado e que está regenerando. "A gente estima que, desse total [de vegetação nativa] que existe no Brasil, pelo menos um terço já foi desmatado alguma vez ou já foi fortemente degradado. Então o número correto seria mais ou menos alguma coisa como 45%, 50%" - Tasso Azevedo, coordenador do MapBiomas "[Dizer que] se encontra preservado não é uma frase correta - se encontra coberto com vegetação nativa. Parte já foi desmatada e parte já foi muito degradada - com fogo, exploração ilegal", conta Tasso. Como o G1 mostrou na série Desafio Natureza, mesmo áreas que deveriam contam com preservação garantida em demarcação sofrem com desmatamento. Áreas da Amazônia que deveriam ter 'desmatamento zero' perdem 6 cidades de SP em três décadas O especialista em gestão ambiental da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Raoni Rajão também rebate a afirmação. "É errado dizer que mais de 60% do Brasil está preservado. Mais de 60% do Brasil está com vegetação nativa. E isso inclui, por exemplo, os pampas, onde você tem pecuária. Isso inclui os campos gerais onde você tem pecuária. Inclui também, por exemplo, todas as áreas florestais onde tem extrativismo", diz Rajão. "Quando uma área é de preservação, voltada para a preservação integral, isso significa que ela não pode ser explorada (para fins econômicos). E essas áreas elas são muito pouco do território nacional". As unidades de conservação de proteção ambiental integral alcançam 9,9% do território nacional, segundo um levantamento da UFMG, com dados ICMBio, Incra, Funai, SFB e MMA. Área usada pela agropecuária Sobre a fala de Bolsonaro de que a revolução agrícola no Brasil "foi realizada utilizando apenas 8% de nossas terras", o professor Raoni Rajão diz que o dado é "distorcido". "De fato, por volta de 8% a 10% do território nacional é voltado para culturas agrícolas, soja, milho, e etc. Mas você precisa somar mais uns 20% das áreas voltadas para a pecuária. Então falar que foi 8% que deu independência alimentar para o Brasil é errado. E os outros 20% da pecuária?", questiona Rajão. Mirante mostra a Floresta Nacional do Tapajós e o Rio Tapajós ao fundo Marcelo Brandt/G1/Arquivo 'Firme compromisso' Em outro ponto do discurso, Bolsonaro disse que o governo brasileiro "mantém o firme compromisso de continuar a preservar nosso patrimônio ambiental" e de "buscar o desenvolvimento sustentável em sua plenitude, de forma a integrar a conservação ambiental à prosperidade econômica e social." Ele defendeu o esforço dos países na redução das emissões de carbono, que são responsáveis pelo processo de aquecimento global. E afirmou que o Brasil tem "a matriz energética mais limpa entre os países integrantes do G20" e responde hoje "por menos de 3% da emissão de carbono" apesar de ser "uma das 10 maiores economias do mundo." "O que apresento aqui são fatos, e não narrativas. São dados concretos e não frases demagógicas que rebaixam o debate público e, no limite, ferem a própria causa que fingem apoiar" - Jair Bolsonaro Tasso Azevedo aponta que o percentual de 3% é um fato, mas ele isoladamente não credencia o Brasil como um bom exemplo. O especialista aponta a comparação da emissão média per capita: a do mundo é de 7,1 toneladas de CO² e a do Brasil é de 10,4 toneladas de CO². "Falar que a gente tem 3% das emissões globais, embora seja uma das 10 maiores economias, não quer dizer absolutamente nada. Basta pegar o tamanho do nosso PIB versus o PIB global, é muito menos do que 3%. (...) O que importa é a emissão per capita - a emissão per capita do Brasil é maior do que a do mundo. A gente ajuda a piorar a média do mundo, não o contrário." - Tasso Azevedo, coordenador do MapBiomas No mais recente levantamento do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG), divulgado pela organização não-governamental Observatório do Clima (OC), foi verificado que as emissões dos gases do efeito estufa no Brasil aumentaram 9,6% em 2019, em comparação com 2018. Emissões de gases do efeito estufa sobem 9,6% em 2019 na comparação com 2018, aponta Observatório do Clima Agricultura e acordos comerciais Bolsonaro também disse que, nos últimos 40 anos, o Brasil passou da condição de importador de alimentos para ser um dos maiores exportadores agrícolas do mundo. "Esse processo de transformação da agricultura brasileira resulta de décadas de inovação e desenvolvimento, incorporando grandes ganhos tecnológicos em eficiência e produtividade", afirmou. Durante sua fala, Bolsonaro destacou os acordos comerciais firmados entre o Brasil e os EUA sobre facilitação do comércio, boas práticas regulatórias e combate à corrupção. "Estamos construindo um país aberto para o mundo, disposto, não apenas a buscar novos acordos comerciais, mas também a assumir novos e maiores compromissos nas áreas do desenvolvimento e da sustentabilidade", disse. Ao mesmo tempo em que o governo busca uma maior abertura econômica, com aumento no volume de comércio, ele afirmou estar ciente de que "os acordos comerciais sofrem cada vez mais influência da agenda ambiental". Em junho, um grupo responsável por investimentos de cerca de R$ 20 trilhões enviou uma carta aberta às embaixadas brasileiras de oito países. Eles se mostraram preocupados com o aumento do desmatamento no Brasil. Nos últimos meses, nações europeias, como a França, têm se manifestado contra o acordo comercial fechado com o Brasil. Em conjunto com outros países da União Europeia, o país pretende impor condições ambientais para que as negociações prossigam. O professor Raoni Rajão ainda pondera que, se por um lado há interesse da indústria europeia de limitar as importações, essas iniciativas não ocorrem como alegada pela diplomacia brasileira. "Por exemplo, a Europa quer limitar a importação de carnes in natura, porque compete com produtos de alguns países, como a França. Mas o agronegócio europeu quer continuar comprando soja, porque essa carne bovina, suína, produzida na Europa, ela depende da soja barata brasileira para poder produzir. Então fazer uma acusação de que tudo isso faz parte de um complô é uma visão muito simplista", analisa Rajão. Perto de deixar a Casa Branca, Trump critica Acordo de Paris Em tom cético às mudanças climáticas e aos danos ao meio ambiente, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou o Acordo de Paris e disse que o texto foi feito "para matar a economia americana". Os EUA comunicaram em 2019 a saída do tratado internacional que estabelece metas para a preservação ambiental, mas o presidente eleito, Joe Biden, já se comprometeu a recolocar o país no grupo depois que tomar posse. "Para proteger os trabalhadores americanos, eu retirei os Estados Unidos do injusto e unilateral Acordo Climático de Paris, muito injusto para os EUA", afirmou Trump. Leia a íntegra do discurso "Senhoras e Senhores, Primeiramente, parabenizo a Arábia Saudita por ter escolhido como tema central de sua presidência o lema “Realização das Oportunidades do Século 21 para Todos”. Aproveito para também parabenizar os demais membros do G20 pelas oportunas iniciativas desenvolvidas ao longo do ano. Além dos muitos instrumentos acordados, houve frutífera troca de experiências e disseminação de melhores práticas sobre diversos temas. Destacamos o acesso universal à saúde, à educação e à economia digital, bem como a inclusão financeira de todos os cidadãos. Senhoras e Senhores, O Brasil é um país resiliente. Queremos um futuro de desenvolvimento sustentável e repleto de oportunidades para a nossa população. Meu governo tem promovido a abertura de nossa economia, com vistas a uma maior integração do Brasil aos fluxos de comércio e investimento mundiais. São demonstrações do nosso empenho os acordos comerciais negociados pelo MERCOSUL com a União Europeia e a Associação Europeia de Livre Comércio, a EFTA. Também já iniciamos tratativas com a Coreia do Sul e com o Canadá. Destaco, igualmente, os recentes acordos firmados entre o Brasil e os EUA sobre facilitação do comércio, boas práticas regulatórias e combate à corrupção. Estamos construindo um país aberto para o mundo, disposto, não apenas a buscar novos acordos comerciais, mas também a assumir novos e maiores compromissos nas áreas do desenvolvimento e da sustentabilidade. Ao mesmo tempo em que buscamos maior abertura econômica, estamos cientes de que os acordos comerciais sofrem cada vez mais influência da agenda ambiental. Por isso, vamos à realidade dos fatos. Nos últimos 40 anos, o Brasil passou da condição de importador de alimentos para o patamar de um dos maiores exportadores agrícolas do mundo. Esse processo de transformação da agricultura brasileira resulta de décadas de inovação e desenvolvimento, incorporando grandes ganhos tecnológicos em eficiência e produtividade. Hoje, nosso País exporta volume imenso de produtos agrícolas e pecuários sustentáveis e de qualidade. Alimentamos quase um bilhão e meio de pessoas e garantimos a segurança alimentar de diversos países. Ressalto que essa verdadeira revolução agrícola no Brasil foi realizada utilizando apenas 8% de nossas terras. Por isso, mais de 60% de nosso território ainda se encontra preservado com vegetação nativa. Tenho orgulho de apresentar esses números e reafirmar que trabalharemos sempre para manter esse elevado nível de preservação, bem como para repelir ataques injustificados proferidos por nações menos competitivas e menos sustentáveis. Durante os desafiadores meses da pandemia, nossa agropecuária se manteve ativa e crescentemente produtiva. Honramos todos os nossos contratos. Para promover o desenvolvimento sustentável, reconhecemos a contribuição do conceito de Economia Circular de Baixa Emissão de Carbono, baseada nos “4Rs”: Reduzir, Reutilizar, Reciclar, Remover. Entendemos que esforço deve ser concentrado no primeiro “R”, que é a “Redução” das emissões de carbono. No cenário mundial, somos responsáveis por menos de 3% da emissão de carbono, mesmo sendo uma das 10 maiores economias do mundo. Por isso, também nesse aspecto, mais uma vez tenho orgulho de dizer que o Brasil possui a matriz energética mais limpa entre os países integrantes do G20. Mantemos o firme compromisso de continuar a preservar nosso patrimônio ambiental. Também mantemos a determinação de buscar o desenvolvimento sustentável em sua plenitude, de forma a integrar a conservação ambiental à prosperidade econômica e social. O que apresento aqui são fatos, e não narrativas. São dados concretos e não frases demagógicas que rebaixam o debate público e, no limite, ferem a própria causa que fingem apoiar. O hino nacional de meu país diz que o Brasil é gigante pela própria natureza. Estejam certos de que nada mudará isso. Vamos continuar protegendo nossa Amazônia, nosso Pantanal e todos os nossos biomas. Contem com o meu país e com o meu povo para tornar o mundo realmente mais desenvolvido e mais sustentável. Muito obrigado." VÍDEOS: mais vistos dos últimos 7 dias
Veja Mais

22/11 - Quilombolas do interior de SP aliam produção orgânica com preservação da origem africana
São mais de 30 famílias que vivem no quilombo Cafundó, onde produzem alimentos para merenda escolar, feiras e cestas para o consumidor. Quilombolas do interior de SP aliam produção orgânica com preservação da origem africana A agricultura está transformando a vida de quilombolas no interior de São Paulo. Na comunidade Cafundó, em Salta de Pirapora, os moradores buscam formas para sair da condição de isolamento. Assista a todos os vídeos do Globo Rural Os quilombos no Brasil se originaram como comunidades formadas por escravizados, refugiados ou quem tinha sido libertado. No caso do Cafundó, ele surgiu em 1876, quando um fazendeiro doou aos negros uma porção de terras. Com o passar do tempo, parte da área foi sendo perdida, ocupada por grileiros, e os quilombolas ficaram apenas com a vila de casas. O Cafundó foi reconhecido pelo Instituto de Terras de São Paulo (Itesp) como comunidade quilombola, em 1999. O título definitivo das áreas ainda não saiu, mas os quilombolas já conseguem, desde 2012, usar as terras, com a concessão por parte do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Atualmente, a comunidade ainda briga na Justiça para reaver parte das terras que foram griladas. Por lá, mais de 30 famílias vivem hoje no quilombo, em uma área de 218 hectares, parte deles usados para a atividade agrícola. As áreas são coletivas, mas cada quilombola cuida de um pedaço. Além da renda obtida na agricultura, a comunidade recebe recursos de programas de governo e indenização de uma empresa que extrai areia de uma área do quilombo. Com essas rendas, já conseguiram investir em galpões, estufas e trator, por exemplo. A produção A produção agrícola do quilombo sempre foi feita de forma mais natural, sem uso de produto químico, mas também sem tecnologia. Foi aí que os jovens fizeram a diferença. Foram atrás de conhecimento e trouxeram o conceito de agricultura orgânica. Produzir alimentos sem nada de agrotóxicos e, ao mesmo tempo, ganhar mais pelo produto. Foi isso que motivou o Alex, morador que é nascido e criado no quilombo. Há quatro anos, deixou o serviço na construção civil para se dedicar à roça. “Foi na curiosidade mesmo, foi quebrando a cabeça, na verdade. Fiz alguns cursos. Eu sou aquela pessoa que tem a mente aberta... vou, converso…”, explica. A horta dele ocupa 1,5 hectare com irrigação. Será o primeiro do quilombo a receber o selo de produtor orgânico, já está na fase final do processo e vai poder vender para supermercados. De olho no futuro, eles vão diversificando e já produzem milho, mandioca e colheram sua primeira safra de feijão. Do que é arrecadado, 23% fica com a associação que gere o quilombo. O dinheiro serve para pagar os custos do local e também para pagar o salário de um técnico agrícola. As vendas Até a pandemia começar, a renda do quilombo era garantida. Isso porque eles vendiam boa parte da produção para merenda escolar e outra parte ia para feiras. Porém, de um dia pro outro, tudo mudou por causa da pandemia de coronavírus, já que escolas fecharam e as feiras livres ficaram meses sem ocorrer. Só que, ao mesmo tempo, uma surpresa: os pedidos de cestas orgânicas dispararam. “É até engraçado porque, em uma semana, a gente teve só 5 pedidos. Veio a pandemia e, na outra semana, foi para 60 pedidos. A gente ficou em choque, mas, graças a Deus, conseguimos”, relembra a quilombola Amanda Pires, que cuida das contas da associação. Com as vendas de cestas indo bem, em dias de entrega, tem mutirão na comunidade. E as entregas são feitas com a única caminhonete da associação. “Muitos ficam curiosos... ‘o que esses negrinhos estão fazendo nessa caminhonete, entregando uma cesta?’ Tem aquela desconfiança. Em um condomínio onde eu vou, o segurança chegou até a revistar a caminhonete”, diz Alex. Preservação da origem Se o quilombo Cafundó se transformou, muito tem a ver com uma mulher: Regina Pereira, que vive há 17 anos na comunidade e assumiu a causa. “Eu nasci e cresci na cidade, mas quando eu vim aqui para o Cafundó, eu reconheci a minha história. Conversando com eles, eu tive a consciência de que eu também sou quilombola, eu não sabia disso”, conta Regina. Ela liderou as ações para recuperar as terras e ajudou a resgatar a autoestima dos quilombolas, principalmente dos jovens. “Eu procuro falar com os meninos que não tem que ter vergonha de ser negro, afinal de contas a gente fez uma história. Não só aqui no Cafundó, o negro tem uma história importante”, diz. Já os mais velhos da comunidade guardam uma relíquia: a língua dos escravizados, usada por eles até hoje. E a descoberta dessa forma de se comunicar foi fundamental para o reconhecimento do Cafundó como quilombo. Para eles, a língua é uma questão de resistência e sobrevivência. O dialeto se chama cupópia, uma mistura de português com palavras de línguas da região de Angola, uma herança dos antepassados que o quilombo tenta preservar. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural
Veja Mais

22/11 - Leilões de gado reabrem ao público no noroeste paulista
Com a pandemia, eventos foram transmitidos pela internet durante quase sete meses. Leilões de gado reabrem ao público no noroeste paulista Os leilões de gado estão reabrindo ao público no noroeste paulista, depois de quase sete meses transmitidos somente pela internet, em função da pandemia de Covid-19. Mas os participantes precisam respeitar as novas regras. Em um dos leilões em São José do Rio Preto, por exemplo, que recebia entre 400 e 500 pessoas, só autoriza, agora, a entrada de 40% deste público. Assista a todos os vídeos do Globo Rural "É muito mais fácil, é muito melhor, porque quando a gente está dentro do curral e do leilão você vê a qualidade, se tem animal com problema [...] é mais favorável para o pecuarista", diz a pecuarista Carina Ayres. Saiba mais na reportagem completa no vídeo acima. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural
Veja Mais

22/11 - Embrapa estuda cultivo de frutas e hortaliças em containers
Pesquisa mostrou produtividade até 5 vezes maior do que o cultivo no campo e menor tempo de desenvolvimento das plantas. Estudo é fruto de parceria público privada e custou mais de R$ 1 milhão. Embrapa estuda cultivo de frutas e hortaliças em containers A produção de alimentos em ambientes fechados, inclusive em grandes centros urbanos, é uma tendência no Brasil e no mundo. Essas “fazendas verticais” podem ser feitas em diversos lugares, até mesmo em containers de 50 metros quadrados, como mostra um projeto desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no Distrito Federal. Assista a todos os vídeos do Globo Rural Uma equipe de 12 pesquisadores estuda quais são as condições ideias para a produção de hortaliças nesta fazenda vertical. No local, os pesquisadores avaliam como os alimentos podem ser cultivados em pequenas áreas, aproveitando cada espaço livre. O objetivo é identificar as situações em que as plantas se desenvolvem. E um dos maiores desafios da pesquisa é acertar a cor ideal das lâmpadas. Como não há entrada de luz solar, a artificial será responsável pelo desenvolvimento da planta. O sistema é hidropônico, uma técnica de cultivo de plantas sem solo, onde as raízes recebem uma solução nutritiva balanceada. Em 7 meses de pesquisa, os primeiros resultados já apareceram. No caso das folhosas, como alface, rúcula e couve, a produtividade aumentou 5 vezes na comparação com o cultivo em ambiente aberto. E o período de desenvolvimento da planta diminuiu em até 15 dias. O próximo passo é produzir um modelo de cultivo interno para morango, tomate e pimentão, e os testes já começaram. A pesquisa da Embrapa é uma parceria público-privada que custou mais de R$ 1 milhão. Saiba mais na reportagem completa no vídeo acima. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural
Veja Mais

22/11 - Produtores de melancia de Goiás conquistam novos mercados
Venda da fruta ao exterior está remunerando mais do que o mercado interno. Produtores de melancia de Goiás conquistam novos mercados A exportação de melancia em Goiás está em alta, e a fruta produzida no estado está conquistando alguns países vizinhos. Na cidade de Uruana, conhecida como a capital da melancia, os agricultores estão conseguindo vender para Uruguai, Paraguai e Argentina, o principal comprador. Assista a todos os vídeos do Globo Rural Neste ano, o estado exportou 5,7 mil toneladas da fruta, contra 4,1 mil toneladas em todo 2019. E, para o agricultor, o preço está compensando. Os argentinos pagam R$ 1 no quilo da melancia, enquanto o quilo está sendo negociado a R$ 0,70 no mercado interno. Saiba mais na reportagem completa no vídeo acima. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural
Veja Mais

22/11 - Aumento dos custos de produção do leite preocupa criadores de vaca em MG
Em Juiz de Fora, por exemplo, a produtora rural Vera Lúcia Vicente já chegou a pagar R$ 90 pela soja que é servida de ração aos animais. Hoje, ela precisa desembolsar até R$ 180 pelo mesmo produto. Aumento dos custos de produção do leite preocupa criadores de vaca em MG O aumento dos custos de produção do leite tem preocupado os criadores de vaca em Minas Gerais. Em Juiz de Fora, por exemplo, a produtora rural Vera Lúcia Vicente já chegou a pagar R$ 90 pela soja que é servida de ração aos animais. Mas, atualmente, ela precisa desembolsar até R$ 180 pelo mesmo produto. "O fubá estava R$ 43, R$ 45. Hoje está R$ 80 também", diz Vera Lúcia. Assista a todos os vídeos do Globo Rural O preço do leite ao produtor também não está muito bom. "Nesses últimos três meses, nós tivemos uma melhora no preço, ele chegou a R$ 2,20. Mas esse mês já caiu dez centavos. Vamos receber R$ 2,10". Saiba mais na reportagem completa no vídeo acima. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural
Veja Mais

22/11 - Seca prejudica agricultura e pecuária de Santa Catarina
Carência de chuva na região oeste do estado chega a 800 milímetros, segundo a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de SC. Seca prejudica agricultura e pecuária de Santa Catarina A seca tem prejudicado a agricultura e a pecuária do oeste de Santa Catarina. Na região, a carência de chuvas chega a 800 milímetros, segundo a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do estado. Assista a todos os vídeos do Globo Rural Em uma das fazendas, o açude que auxilia o sistema de irrigação está quase seco, o que fez com que o produtor abandonasse uma horta com almeirão, couve-flor, brócolis e repolho. A estiagem também impactou a produção de leite na região, pois a falta de chuva prejudicou as pastagens e o desenvolvimento do milho - usado na produção de silagem. Saiba mais na reportagem completa no vídeo acima. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural
Veja Mais

22/11 - Pequenas Empresas & Grandes Negócios: contatos de 22/11/2020
Veja como obter informações das empresas citadas no programa. Veja a reportagem: Home office possibilita que empresas contratem funcionários do mundo todo Ricam Consultoria Empresarial Telefone e WhatsApp: (11) 4306-9666 www.ricamconsultoria.combr Twitter: @ricamconsult Instagram: @ricamorim LinkedIn/Facebook: Ricardo Amorim Trevisan Escola de Negócios Telefone: (11) 3138-5200 https://www.trevisan.edu.br Facebook: https://www.facebook.com/TrevisanBrasil Instagram: https://www.instagram.com/trevisanescoladenegocios/ LinkedIn: https://www.linkedin.com/school/trevisan-escola-superior-de-neg-cios-s-o-paulo/ Veja a reportagem: Protocolos de segurança contra o coronavírus garantem tranquilidade para clientes e comerciantes Shopping Garden Sul Avenida dos Bandeirantes, 5900 São Paulo/SP - CEP: 08421-135 Telefone: (11) 5591-5555 www.shopgarden.com.br Email: gs@shopgarden.com.br Redes Sociais: @shopgarden Café Journal Alameda dos Anapurus, 1121, Moema São Paulo/SP - CEP: 04087-003 Rede Social: @cafejournalmoema Delivery: https://deliveryapp.neemo.com.br/delivery/7087/menu Reservas/WhatsApp: (11) 5055.9454 www.cafejournal.com.br Consultora Mônica Pontalti Ponto de Referência Telefone: (11) 992138430 www.pontodereferencia.com.br Email: atende@pdr.com.br Redes sociais : @pontodereferencia Veja a reportagem: Marca de pão de queijo aumenta em 80% as vendas com atendimento especializado Lá de Passos Comércio de Alimentos LTDA Endereço: Rua José da Silva Ribeiro, 120 - ap 24A - Vila Andrade São Paulo/SP - CEP 05726 130 Telefone: (11) 99993-0313 E-mail: contato@ladepassos.com.br www.ladepassos.com.br Facebook: ladepassos Instagram: @la.depassos Veja a reportagem: Startup produz copos e embalagens biodegradáveis feitos de mandioca Já Fui Mandioca Endereço: Rua Teyupa, 76 - Eldorado Diadema /SP – CEP: 09970-340 Telefone: (11) 4049-3939 E-mail: ola@jafuimandioca.com.br www.jafuimandioca.com.br Facebook: @Ja Fui Mandioca Instagram: @jafuimandioca Walnuts Sorvetes Endereço: Rua Luis Góis 1607 - Mirandópolis São Paulo/SP - CEP: 04043-350 Telefone: 11 3805-3363 Email: sorvetes@walnuts.com.br www.walnuts.com.br Facebook: WalnutsSorvetes Instagram: WalnutsSorvetes Veja a reportagem: Empresa japonesa produz máscara inteligente que funciona conectada ao celular Donut Robotics C Mask https://www.donutrobotics.com/c-mask Veja a reportagem: Setor de festas comemora alta na procura por eventos online Balolandia Endereço: Rua Luis Góis, 1613 - Mirandópolis São Paulo/SP - Cep: 04043-350 Telefone: WhatsApp: 11 99276-7705 / Fixo: 11 5587-4484 E-mail: contato@balolandia.com.br www.balolandia.com.br Facebook: balolandia Instagram: balolandia La Raffinata Doceria Telefone: (11) 95491-0204 E-mail: lorena.albarici@outlook.com Instagram: @laraffinatadoceria Academia de Festas Endereço: Rua Urutuba, 240 - Praça da Árvore São Paulo/SP – CEP: 04053-020 Telefone: (11) 5073-3819 / (11) 97656-6688 Email: contato@academiadefestas.com.br www.academiadefestas.com.br Facebook:@Academiadefestas Instagram: @academiadefestas_oficial
Veja Mais

22/11 - Setor de festas comemora alta na procura por eventos online
Dois tipos de comemoração estão em alta: o chá de revelação do sexo do bebê e os mêsversários. Setor de festas comemora alta na procura por eventos online O setor de festas e eventos patinou no começo da pandemia do coronavírus, mas muitos empresários deram a volta por cima. Quem salvou o segmento foram as comemorações dentro de casa, acompanhadas pela família e amigos pela internet. Veja todos os vídeos do PEGN Dois tipos de festas específicas deram ao setor a chance de continuar tendo receita nesse período: os chás revelação do sexo do bebê e os mêsversários, a comemoração mensal do aniversário. “Na pandemia, a gente percebeu que eles não pararam. Porque é diferente de um aniversário, se você não fez esse ano, faz no próximo. Um chá revelação não tem outra saída, ou você faz ou não faz”, afirma a consultora Andréa Valdívia. Dona de uma loja de balões personalizados em São Paulo há quatro anos, Bruna Garcia viu o faturamento chegar a zero no começo da pandemia. Mas não demorou para se reinventar ao perceber o potencial dos produtos que vende. “Fizemos movimentos de que balões poderiam fazer a diferença na vida das pessoas e aí minha empresa cresceu 70% na pandemia”, afirma Bruna. O que teve destaque na loja foi a caixa surpresa com balões para o chá revelação do sexo do bebê. São menos balões, um formato bem mais compacto do que o das festas tradicionais, mas o suficiente para comemorar com amigos e familiares de forma virtual. No mesmo ramo de festas, Lorena Albarici, que faz doces personalizados, também focou em chás revelação e mêsversários. O número de entregas por festa caiu, mas ela conquistou mais clientes. “Antes eu fazia bastante doce com uma quantidade menor de festas. Agora inverteu, conquistei novos clientes e consigo atender mais pessoas”, conta Lorena. Na empresa dela, a procura por doces para festas em casa aumentou 40%. “Teve até comemoração do primeiro dentinho da criança, nunca tinha feito doce para esse tema especifico”, diz. O aprendizado que fica para o empresário do setor de festas é apostar em inovação. “É necessário inovar e se profissionalizar. Buscar entender o que está fazendo e usar bons materiais”, orienta a consultora Andréa. Balolandia Endereço: Rua Luis Góis, 1613 - Mirandópolis São Paulo/SP - Cep: 04043-350 Telefone: WhatsApp: 11 99276-7705 / Fixo: 11 5587-4484 E-mail: contato@balolandia.com.br www.balolandia.com.br Facebook: balolandia Instagram: balolandia La Raffinata Doceria Telefone: (11) 95491-0204 E-mail: lorena.albarici@outlook.com Instagram: @laraffinatadoceria Academia de Festas Endereço: Rua Urutuba, 240 - Praça da Árvore São Paulo/SP – CEP: 04053-020 Telefone: (11) 5073-3819 / (11) 97656-6688 Email: contato@academiadefestas.com.br www.academiadefestas.com.br Facebook:@Academiadefestas Instagram: @academiadefestas_oficial Conheça empreendedores que estão superando a crise
Veja Mais

22/11 - Empresa japonesa produz máscara inteligente que funciona conectada ao celular
Além de proteger contra o coronavírus, o acessório amplifica a voz e faz tradução instantânea. Empresa japonesa produz máscara inteligente que funciona conectada ao celular Uma máscara inteligente, criada no Japão, protege contra o coronavírus, amplifica a voz da pessoa e faz tradução instantânea. A novidade foi pensada para ajudar no distanciamento social. Veja todos os vídeos do PEGN O sistema funciona com a ajuda do celular. A máscara deve ser colocada em cima de uma comum e é conectada por bluetooth ao aparelho. Tudo o que é falado aparece como texto na tela do smartphone, e também pode ser transformado em áudio. O usuário tem a opção de traduzir do japonês para oito idiomas. Chamada de C-FACE, a máscara foi desenvolvida por uma startup japonesa. A empresa conseguiu arrecadar 28 milhões de ienes, quase R$ 1,5 milhão, em um financiamento coletivo. A ideia é distribuir a primeira leva de máscaras, algo entre cinco e dez mil unidades, no Japão em dezembro. O preço de cada uma deve ficar entre 40 e 50 dólares, cerca de R$ 250. A máscara inteligente será lançada em todo o mundo em 2021. Donut Robotics C Mask https://www.donutrobotics.com/c-mask Veja os vídeos mais assistidos do PEGN
Veja Mais

22/11 - Marca de pão de queijo aumenta em 80% as vendas com atendimento especializado
Empreendedores contam a história de sucesso da empresa durante a pandemia no VC NO PEGN. Marca de pão de queijo aumenta em 80% as vendas com atendimento especializado Um casal que virou empresário produzindo pão de queijo teve aumento de 80% nas vendas esse ano. Ailton Junior e Veruska Morais contam essa história no VC NO PEGN. Veja todos os vídeos do PEGN Ailton era corretor de seguros e Veruska era vendedora de roupas de grifes mineiras. A receita do pão de queijo deles vem de Passos, no interior de Minas Gerais, e é criação da avó da Veruska, a dona Filinha. A receita leva ovo, polvilho, leite e o queijo da Serra da Canastra. “O queijo vem de Minas para São Paulo pra gente fazer esse pão de queijo tão gostoso”, conta Veruska. O negócio foi criado em 2018, com investimento de R$ 15 mil. São quatro tipos de pães de queijo: tem o para hambúrguer, o redondo, de 25g ou 60g, e o carro chefe, o palito de pão de queijo. Durante a pandemia do coronavírus, a produção pulou de 300 quilos para 550 quilos de pães de queijo por mês. Segundo os empresários, o atendimento personalizado fez a diferença. “A gente deu um super atendimento para cada cliente que comprava 1 quilo de pão de queijo, um atendimento como se eu tivesse vendendo um carro. E isso trouxe um retorno muito bacana de indicações, de reincidência, a gente tem uma fidelidade muito grande com os clientes”, explica Veruska. O pão de queijo custa a partir de R$ 50 o quilo. É vendido pelas redes sociais, na loja virtual da marca, em padarias e cafés. Ailton e Veruska já projetam o crescimento para 2021. “A nossa meta é atingir uma tonelada ao mês. Esperamos que até julho do ano que vem a gente consiga chegar nessa meta”, diz Ailton. Lá de Passos Comércio de Alimentos LTDA Endereço: Rua José da Silva Ribeiro, 120 - ap 24A - Vila Andrade São Paulo/SP - CEP 05726 130 Telefone: (11) 99993-0313 E-mail: contato@ladepassos.com.br www.ladepassos.com.br Facebook: ladepassos Instagram: @la.depassos Conheça empreendedores que estão superando a crise
Veja Mais

22/11 - Startup produz copos e embalagens biodegradáveis feitos de mandioca
A tecnologia ajuda a deixar a vida mais sustentável e chama a atenção dos consumidores. Startup produz copos e embalagens biodegradáveis feitos de mandioca O consumo sustentável está entre os três maiores fatores de decisão de compra para um terço dos brasileiros, segundo pesquisa realizada pela Nielsen em 2019. Em uma sorveteria de São Paulo, as embalagens biodegradáveis chamam atenção de consumidores e reforçam essa tendência. Veja todos os vídeos do PEGN As embalagens são criação de uma startup paulista que utiliza para sua produção um ingrediente bem brasileiro: a mandioca. “Tem vários motivos para a escolha desse ingrediente. O Brasil é um dos maiores produtores de mandioca do mundo. Normalmente, quem planta mandioca são pequenos agricultores. Tem uma questão social muito legal aí. Além disso, só ela consegue dar propriedades físico-químicas para fazer o nosso processo. Nenhum outro tipo de amido ia poder gerar isso pra gente”, explica o empresário Stelvio Mazza. A fábrica usa na produção o amido ou a fécula da mandioca brava, que não é própria para consumo humano. “A gente foi se inspirar na natureza e copia o ciclo para a embalagem mais perfeita que existe. Se você for pensar, é a casca de uma fruta”, diz Stelvio. A inovação está em unir biotecnologia com equipamentos criados pela startup. Eles transformam amido em uma embalagem 100% ecológica. O maquinário diminuiu o tempo de produção e aumentou o número de embalagens fabricadas. Assim, a empresa ficou viável comercialmente. “As pessoas não têm noção da jornada que é tirar um produto de laboratório e transformar em escala para virar um produto, ter uma empresa e conseguir vender a um preço acessível. As pesquisas começaram há mais de 17 anos, a gente conseguiu escalar o negócio através de muita tentativa e erro mesmo, não tem milagre”, afirma Stelvio. No catálogo, a empresa oferece potes, pratos e embalagens para delivery. A novidade são os potes de sorvete e de salada que viram adubo para jardim em 20 dias, com a água da chuva. “Ele vai se compostar, vai virar adubo e não vai gerar nenhum resíduo para o meio ambiente”, explica o empresário. Os produtos custam de R$ 0,60 a quase R$ 3 a unidade, mais caros do que os de produtos não degradáveis. “A gente não vende embalagem, a gente vende justamente um conceito de economia circular. O desafio é justamente mostrar esse diferencial para o cliente, para que ele possa entender toda a cadeia, desde a produção até o descarte”, afirma Stelvio. Marcus Nakata, dono da sorveteria que usa as embalagens, concorda: “A gente acredita que pelo meio ambiente vale pagar um pouco mais, até pelo conceito que a gente criou com a marca”. A pandemia assustou a startup, mas eles se recuperaram e estão expandindo a produção. Não revelam o faturamento deste ano, porém, em 2021 a expectativa é faturar R$ 4 milhões, graças a mandioca. “Isso mostra como a natureza pode ensinar a gente, o quanto de solução podemos tirar dela. Acho que não é só mandioca, tem muitas outras matérias-primas que estão sendo descobertas e ainda vão ser descobertas que o nosso próprio planeta cria pra gente”, afirma Stelvio. Já Fui Mandioca Endereço: Rua Teyupa, 76 - Eldorado Diadema /SP – CEP: 09970-340 Telefone: (11) 4049-3939 E-mail: ola@jafuimandioca.com.br www.jafuimandioca.com.br Facebook: @Ja Fui Mandioca Instagram: @jafuimandioca Walnuts Sorvetes Endereço: Rua Luis Góis 1607 - Mirandópolis São Paulo/SP - CEP: 04043-350 Telefone: 11 3805-3363 Email: sorvetes@walnuts.com.br www.walnuts.com.br Facebook: WalnutsSorvetes Instagram: WalnutsSorvetes Veja os vídeos mais assistidos do PEGN
Veja Mais

22/11 - Protocolos de segurança contra o coronavírus garantem tranquilidade para clientes e comerciantes
A tendência é que com o consumidor seguro, o faturamento de estabelecimentos volte a crescer. Protocolos de segurança garantem tranquilidade para clientes e comerciantes Um grande desafio para qualquer negócio que trabalha com atendimento presencial é garantir para o cliente que os protocolos de segurança contra o coronavírus estão sendo seguidos. Isso pode ser a diferença entre uma venda ou não. Veja todos os vídeos do PEGN Em um restaurante de São Paulo, os cuidados começam já na entrada dos funcionários, com medição de temperatura e distribuição de máscaras. “Quando foi liberada a reabertura, fizemos um treinamento com toda a equipe. Um técnico, instruído para isso, veio aqui e explicou todos os procedimentos e nos orientou”, conta Rubens Silva, um dos sócios do restaurante. Com a pandemia, o cliente ficou muito mais observador e exigente. Para frequentar um restaurante ou visitar uma loja, ele precisa se sentir seguro. “A primeira coisa é a transparência, que precisa ser mostrada de diversas formas: como estou fazendo, como estou cuidando, como estou me preparando. Tem que focar nas pessoas, elas precisam estar no centro das decisões da empresa”, explica a consultora em gestão de atendimento, Mônica Pontalti. O mesmo cuidado tomado na cozinha deve ser visto no atendimento no salão. Os garçons precisam passar álcool gel nas mãos na frente do cliente. Eles podem também usar luvas cirúrgicas. O cliente percebe as medidas de higiene e o esforço da equipe para garantir a segurança. O fundamental nesse momento é cuidar dos detalhes. No restaurante do Rubens, eles investiram em tecnologia, agilidade no atendimento, talheres higienizados e embalados para cada cliente. Eles também fornecem a máscara caso o cliente esqueça a sua. As medidas custaram R$ 25 mil para o restaurante – e são mais R$ 2 mil todo mês de custo extra. Mas valeu a pena e a casa está lotada quase todos os dias: são 50 clientes no almoço e 80 no jantar. “A gente tem uma média boa de frequência devido ao espaço ser maior. Temos uma possibilidade de distanciamento confortável entre as mesas, isso dá a sensação de segurança para os clientes”, afirma Neuri Coleto, outro sócio do restaurante. Olho no olho Já no caso de uma loja de plantas, a peça chave nesse processo de confiança é a participação da equipe de vendedores. O cliente que durante o fechamento do comércio comprou pelo site, agora quer o olho no olho. “Agora o pessoal prefere vir, quer pegar, quer sentir o produto, por isso na loja física é diferente”, diz o gerente comercial da loja, Arnóbio Barros. Para dar mais segurança para o cliente, além de controlar o acesso de carros e pessoas dentro da loja, foram espalhados totens de álcool gel e películas protetoras que inativam o vírus nos carrinhos. “Eles medem a temperatura, tem álcool gel, a película no carrinho, e quando a gente tem contato, se tiver o vírus, ele morre ali mesmo. Isso me deixa mais confiante, mais segura. Não preciso ficar toda hora passando álcool, o carrinho está higienizado para eu caminhar tranquila entre as plantas”, relata a cliente Francine Costa. Outra estratégia importante é mostrar na rede social os cuidados que estão sendo tomados nos bastidores da loja. “As informações precisam estar nos dois lugares. Hoje a gente não pode mais fazer diferença entre o físico e o digital. Eles estão juntos e misturados. A gente precisa cuidar da mesma forma”, afirma a consultora Mônica. Shopping Garden Sul Avenida dos Bandeirantes, 5900 São Paulo/SP - CEP: 08421-135 Telefone: (11) 5591-5555 www.shopgarden.com.br Email: gs@shopgarden.com.br Redes Sociais: @shopgarden Café Journal Alameda dos Anapurus, 1121, Moema São Paulo/SP - CEP: 04087-003 Rede Social: @cafejournalmoema Delivery: https://deliveryapp.neemo.com.br/delivery/7087/menu Reservas/WhatsApp: (11) 5055.9454 www.cafejournal.com.br Consultora Mônica Pontalti Ponto de Referência Telefone: (11) 992138430 www.pontodereferencia.com.br Email: atende@pdr.com.br Redes sociais : @pontodereferencia Veja os vídeos mais assistidos do PEGN
Veja Mais

22/11 - Home office possibilita que empresas contratem funcionários do mundo todo
A nova realidade trazida pela pandemia acabou com as barreiras geográficas na hora de fazer contratações. Home office possibilita que empresas contratem funcionários do mundo todo Com a pandemia do coronavírus, muita gente que trabalhava em avenidas cheias de prédios de escritórios se mudou para frente de uma tela. O home office, que começou como um remédio de emergência, se transformou em uma solução para muitas empresas. Agora, surge uma nova tendência: a migração do trabalho. “Podemos contratar gente em Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre, ou seja, o acesso a talentos passa a ser nacional e até global. A gente pode buscar as pessoas independentemente de onde elas estiverem”, afirma o economista e empreendedor Ricardo Amorim. Quando veio a pandemia, uma escola de negócios de São Paulo entregou os escritórios e toda a equipe foi para o home office. Hoje, tem colaboradores em várias partes do país e até do mundo. Veja todos os vídeos do PEGN “Isso melhora muito a qualidade das aulas, porque a gente tem benchmark de outros países. Por exemplo, podemos falar sobre como funciona a economia de Londres comparada com a do Brasil, com quem vive em Londres”, explica a diretora da escola, Renata Bianchi. Embora tenha cortado os custos com aluguel de salas, a empresa não economizou e transformou a casa de 110 funcionários em escritórios. “Nossos colaboradores usam a internet paga por nós. Então, a gente dá um auxílio para que eles possam ter a luz puxada, a internet puxada, todo o suporte que ele até então tinha no prédio, pago por nós”, conta Renata. Essa realidade era impensável até bem pouco tempo atrás. No Brasil, 8,6 milhões de pessoas estão trabalhando em casa, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas será que o trabalho não fica sem graça dentro de uma sala? Será que as pessoas realmente aguentam ficar o dia inteiro diante de uma tela do computador? Esse é um assunto polêmico, mas a Renata achou um meio de superar esse desafio com a inteligência artificial. A empresa investiu R$ 5 milhões em plataformas de educação. Para gerar interesse, a inteligência artificial divide as aulas em micro etapas de 15 minutos e cria comunidades de grupos, além de oferecer um ensino que se adapta ao perfil de cada aluno. “A gente ainda deixa a hora do cafezinho. Colocamos os intervalos e os alunos podem fazer o cafezinho juntos, cada um traz o seu, na frente do computador”, diz a diretora. “Uma das coisas que eu espero que seja uma consequência é que nós tenhamos relações de trabalho mais saudáveis. Em primeiro lugar, empregadores confiam mais nas suas equipes e, em segundo, trabalhadores são mais responsáveis. E acho que isso pode ser benéfico a todos”, afirma Ricardo. As aulas à distância também aumentaram a receita da empresa, já que agora o mercado é o mundo. O número de alunos triplicou e agora são mais de três mil. A meta é chegar a 30 mil em dois anos e a produtividade já aumentou 50%. Ricam Consultoria Empresarial Telefone e WhatsApp: (11) 4306-9666 www.ricamconsultoria.combr Twitter: @ricamconsult Instagram: @ricamorim LinkedIn/Facebook: Ricardo Amorim Trevisan Escola de Negócios Telefone: (11) 3138-5200 https://www.trevisan.edu.br Facebook: https://www.facebook.com/TrevisanBrasil Instagram: https://www.instagram.com/trevisanescoladenegocios/ LinkedIn: https://www.linkedin.com/school/trevisan-escola-superior-de-neg-cios-s-o-paulo/ Veja os vídeos mais assistidos do PEGN
Veja Mais

22/11 - Tempo seco diminui a produção de leite no centro-oeste paulista
Queda na produção aumenta o preço para o consumidor final. Tempo seco diminui a produção de leite no centro-oeste paulista TV TEM/Reprodução As vacas leiteiras têm grande importância para a família de Francisco Colombo. O produtor rural do munícipio de Lupércio (SP) diz que grande parte da renda familiar vem do rebanho. São 22 animais da raça girolando. Mas a produção de leite caiu esse ano por causa da seca e do calor. Francisco está preocupado com essa queda de produção, pois, segundo ele, quando isso acontece, a consequência é o descarte de animais. Um dos reflexos dessa dificuldade apareceu no preço do leite, que bateu um novo recorde na série histórica, acompanhada pelo centro de estudos avançados em economia aplicada. A alta acumulada é de 57,4% desde o início do ano. Ao mesmo tempo, os criadores relatam aumento no preço dos insumos. Em uma fábrica de laticínios no município de Herculândia (SP), a capacidade de recebimento é de 400 mil litros por dia, mas atualmente a produção está pela metade. O diretor de operações, Kleber Cabrini, relata dificuldade para adquirir o leite no preço que permitia obter lucro. Ele diz também que a pressão do varejo para diminuir o preço de venda é grande. (Vídeo: veja a reportagem exibida no programa em 22/11/2020) Tempo seco diminui a produção de leite no centro-oeste paulista A previsão é que tudo se normalize entre dezembro e janeiro, período em que as chuvas devem voltar. Mesmo com a seca, os animais da fazenda experimental de uma universidade de Marília (SP) não tiveram queda na produção de leite, que ficou entre 27 e 30 litros por dia. Para garantir o alimento do rebanho, eles produzem a silagem e usam um sistema que dá mais conforto para os animais, o compost barn. O sistema funciona como uma cama, feita com palha de amendoim. Segundo a professora de veterinária Letícia Peternelli, as vacas devem passar mais tempo descansando, pois isso ajuda na produtividade de leite. Para implantar o sistema com capacidade para 100 vacas, o investimento varia entre R$ 200 e R$ 250 mil na construção do barracão e na instalação dos ventiladores. Acesse + TV TEM | Programação | Vídeos | Redes sociais Confira as últimas notícias do Nosso Campo
Veja Mais

22/11 - Técnicas melhoram a produtividade do limão na região de Itajobi
Irrigação garante a fruta nos períodos de entressafra. Técnicas melhoram a produtividade do limão na região de Itajobi TV TEM/Reprodução O munícipio de Itajobi (SP), conhecido como a capital nacional do limão, está no período de entressafra da fruta, mas, mesmo assim, os limoeiros estão carregados. A maioria das plantações possui irrigação, por isso a produção se mantém boa durante o ano inteiro. José Natal cresceu vendo a família lidar com a fruta. Hoje são dois mil pés em produção. Ele conta que, na época em que iniciaram na cultura, os métodos eram bem simples: plantar e colher. Hoje, mais técnicas disponíveis ajudam a melhorar a produtividade. A região de Catanduva (SP) é a principal produtora de limão do país. Em média, são quatro milhões e 100 mil pés da fruta. Só Itajobi é responsável por 50% da área plantada. Na década de 60 e 70, o forte da citricultura na região era a laranja. Depois, ela foi substituída pelo limão tahiti. (Vídeo: veja a reportagem exibida no programa em 22/11/2020) Técnicas melhoram a produtividade do limão na região de Itajobi O consultor técnico Maurício Agostinho diz que a fruta conquistou não só o mercado nacional, mas também o mercado externo, além da indústria, que compra a fruta para processar. Na família Zanon, o cultivo vem passando de geração para geração. Começou com Antônio Emílio, depois vieram os filhos e agora os netos ajudam a tocar a plantação. Os irmãos Zanon ampliaram a área plantada e estão investindo em melhoramento genético e nos critérios para exportar a fruta. Esse ano, o preço da caixa do limão variou bastante. No meio do ano, quando a produção era maior, o preço da caixa disparou e agora, mesmo com a oferta menor no mercado por causa da entressafra, o valor caiu pela metade. Acesse + TV TEM | Programação | Vídeos | Redes sociais Confira as últimas notícias do Nosso Campo
Veja Mais